My script

Siga-nos no Facebook

Nosso Instagram

Instagram

sábado, 31 de dezembro de 2011

Pensando sobre nossa atitude em 2012


Gosto muito de rir, sou muito bem humorado e amo bater um bom papo em roda de amigos, em casa, no pátio da Igreja, no corre-corre da vida, etc... Nesses momentos converso sobre todo tipo de assunto, seja ele qual for, procurando sempre um meio de colocar Bíblia na conversa, converso sobre as qualidades das pessoas ou sobre algo que possa descontrair, ajudar ou acrescentar coisas boas a todos ao meu redor. Não perco tempo falando mal de quem quer que seja, porque não posso julgar a ninguém. Penso que se alguém está sempre falando mal ou apontando os defeitos de outra pessoa, por pior que seja a  pessoa é porque o falador se julga melhor ou superior a pessoa, objeto da conversação e entendo que o falador não enxerga seus próprios defeitos. Coisa feia é a soberba, a falta de autocrítica e de humildade!
Eu carrego uma pergunta  sempre comigo: “o que nós faríamos agora, se soubéssemos que nos resta apenas 1 hora de vida?” Quando pergunto aos que estão a minha volta, digo que todos têm apenas 01 minuto pra pensar e responder aquilo que acha indispensável fazer, se quiser é claro. Alguns dizem a verdade e até se emocionam. Outros se calam e se sentem envergonhados. Outros mentem, dizem não ter nenhum problema pendente. Será? Está aí um exercício de reflexão importante a ser fazer sempre.
Por muitas vezes, me fiz a mesma pergunta e confesso que me entristeci um pouco com as respostas que me dei.  Eu vi que é muito pouco tempo para correr de um lado pra outro e abraçar as pessoas,  procurar ou telefonar e pedir perdão a tanta gente, pouco tempo para falar com todos aqueles a quem magoei um dia, pouco tempo para se resolver as coisas pendentes ou para ajudar as pessoas que sempre esperaram a minha ajuda. Penso que 1 hora apenas é muito pouco para falar do amor de Deus para as pessoas que vivem na vizinhança há tanto tempo, mas que jamais ouviram uma só palavra a respeito de Deus. Senhor quanto desperdício de tempo em minha vida! Eu podia ter feito todas essas coisas muito antes. Perdoe-me, Senhor!
Pois agora, caro leitor, eu quero lhes fazer algumas perguntas: 
E SE NÃO HOUVER AMANHÃ? Como está a sua vida? Como está o seu coração, a sua comunhão com as pessoas, com sua família, com a Igreja e com Deus? Está mesmo tudo em ordem? Sua alma está verdadeiramente tranquila hoje? Parem para pensar um pouco nisto. O momento é agora, é já. Se existe alguma coisa, não deixe pra depois, resolva. Deitem-se tranquilos, sintam alegria na alma, sinta paz de espírito, paz com Deus e com todos.
Devemos reconhecer que somos frágeis e que curtos e extremamente ligeiros são os nossos dias: 
O salmista disse:  - “Lembra-te de quão breves são os meus dias; por que criarias debalde todos os filhos dos homens?”  Salmos 89:47  .
- “Faze-me conhecer, SENHOR, o meu fim, e a medida dos meus dias qual é, para que eu sinta quanto sou frágil. Eis que fizeste os meus dias como a palmos; o tempo da minha vida é como nada diante de ti; na verdade, todo homem, por mais firme que esteja, é totalmente vaidade. Na verdade, todo homem anda numa vã aparência; na verdade, em vão se inquietam; amontoam riquezas, e não sabem quem as levará.” Salmos 39:4-6 
O Sábio Jó, homem reto e temente a Deus disse: – “E os meus dias são mais velozes do que um correio; fugiram, e não viram o bem. Passam como navios veleiros; como águia que se lança à comida.” JÓ 9: 25 e 26. 
O escritor aos Hebreus no cap. 10, verso 37 disse: – “Porque ainda um pouquinho de tempo, E o que há de vir virá, e não tardará.”.
Que no ano vindouro nós aprendamos a contar os nossos dias para que possamos alcançar um coração sábio diante do Deus dos céus e da terra... O Deus Verdadeiro e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo.
Tenha um Feliz ano novo, cheio de Deus e do Espírito Santo.
                           
Rev. Elimar Gomes

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Bons pensamentos para o ano de 2012

1....as coisas antigas já passaram... (2 Co 5.17). O medo de viver, na verdade, origina-se na culpa e no pecado. Só quem se livrou do fardo do passado pode entrar leve e despreocupadamente pelo portal de um novo ano. Jesus Cristo é grande o suficiente para nos perdoar todos os pecados. Basta que os confessemos a Ele.

2. ...eis que se fizeram novas... (2 Co 5.17). Alguém disse certa vez Um dia pode ser uma pérola, e um século, nada. Aquele que entregou sua vida a Jesus ganha a eternidade para si; quem vive sem Jesus está perdendo tudo desde agora.

3. Oh! Tomara que me abençoes... (1 Cr 4.10). Quando o talentoso artista Michelangelo começou a maior obra de sua vida na Capela Sistina, pintou primeiro duas mãos que abençoavam. Ele sabia o que também nós temos de saber para um novo ano Tudo depende da bênção de Deus.

4. O que eu faço não o sabes agora; compreendê-lo-ás depois (Jo 13.7). Muitas coisas que acontecem nos parecem estranhas, muitos caminhos de Deus para conosco parecem ininteligíveis, mas na eternidade vamos entender o porquê, pois Deus jamais erra.

5. ...a vida que agora vivo na carne vivo-a na fé do Filho de Deus (Gl 2.20b, Ed. Rev. e Corrigida). Para quem vive pela fé em Jesus, a fé de Jesus passa a se tornar efetiva não existe fé maior do que essa. Viver com Jesus significa alcançar o alvo, pois Ele é o Autor e Consumador da fé (Hb 12.2).

6. ...faça-se a tua vontade... (Mt 6.10b). Seguir ao Senhor com um coração íntegro e obedecer-Lhe traz bênção nunca imaginada e é o melhor pré-requisito para o sucesso espiritual. Dar finalmente o passo diante do qual vacilamos até agora nos faz felizes e nos conduz à liberdade.

7. Sede vós semelhantes a homens que esperam pelo seu senhor (Lc 12.36). William McDonald disse Não basta defender a verdade acerca de Sua vinda; essa verdade deve nos dominar. Os cristãos mais ativos e santificados são aqueles que contam com a volta de Jesus e que amam a Sua vinda. Por isso o pastor Wilhelm Busch recomendava Juntem-se aos crentes que esperam pela volta do Senhor.
|  Autor: Norbert Lieth  |  Divulgação: estudogospel.com.br |

sábado, 24 de dezembro de 2011

O Natal é o nascimento de Jesus

 Você sabia que o Natal é uma data tão especial que parou uma guerra? Foi em 1914, quando soldados alemães lutavam contra os ingleses, no interior da França. Quando chegou a manhã do Natal, nenhum tiro foi disparado. Quando os ingleses perceberam, os alemães estavam quietos por causa do Natal. Os soldados até montaram um time de cada país e fizeram um jogo de futebol naquela tarde! Apenas o Natal foi capaz de dar uma trégua a Primeira Guerra Mundial.

 O Natal é uma data tão especial, que até mesmo os mais incrédulos param por alguns instantes para pensar em suas famílias, vidas e conduta.

 Natal significa salvação!

 Natal é dia de adoração. É dia de entregarmos nossas vidas de presente a Cristo. É dia de agradecimento e louvor a Deus.

 Com o coração cheio de gratidão, desejo a vocês meus leitores e aos seus um Natal com muitas felicidades e um ano novo repleto de bênçãos e realizações!

 Obrigado pelo suporte e aprovação neste difícil trabalho de escrever, de pesquisar e de fazer compilações  que expressam a mesma visão e o mesmo objetivo.

 Conto convosco em 2012.


Rev. Elimar e Pra Erica Gomes 

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

O Natal de Cristo

Em quase todo o mundo centenas de milhões de cristãos preparam-se para celebrar, no corrente mês, o nascimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, o Verbo de Deus, o qual “se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigénito do Pai, cheio de graça e de verdade.”(1)

Não obstante ignorar-se a data do Seu nascimento, comemoramos o magno evento com um misto de reverência, gratidão e júbilo, pois se não houvesse Natal o ser humano perder-se-ia para sempre.

Festejar condignamente o Natal é uma bênção e inspiração para todos quantos nasceram do Espírito(2) ao tornarem-se filhos de Deus pela fé em Cristo(3). Viver diariamente o Natal de Jesus, nos nossos corações, conforta-nos, alegra-nos, torna-nos felizes.

Para muitos – triste é dizê-lo – o Natal não passa de uma boa oportunidade para se fazer negócio ou participar em festins. Filantropia de fachada, armistícios de conveniência política, religiosidade formal… eis no que se transformou, em não poucos indivíduos, essa maravilhosa realidade que é a natividade de Jesus.

Escrevemos na década de 60 do século passado, ainda jovem, uns simples versos intitulados Natal e natais. Transcrevêmo-los aqui.
 
“Dar bodo aos pobrezinhos/ e enxovais pra bercinhos/ procurando ser bonzinhos:/ É natal filantrópico.// Silenciar o canhão/ em tréguas de ocasião/ chamando ao imigo 'irmão':/ Isto é natal político.// Participar em festanças,/ em banquetes e em danças;/ trocar cartões e lembranças:/ Eis o natal social.// As montras iluminar/ e as ruas engalanar/ pra mil coisas traficar:/ É natal comercial.// O velho presepe armar,/ na missa-do-galo estar/ pra ladainhas cantar:/ É natal religioso.// O Natal espiritual, não é nada de formal,/ nada de convencional;/ é Cristo Jesus nascer/ no imo do nosso ser,/ e n'Ele sempre viver!”

Já agora reproduzimos também parte do artigo que publicámos em Editorial na nossa revista de Dezembro de 1973. Sentido de Natal foi o título dado ao mesmo. Finalizamos, assim, o habitual texto de Abertura.

Natal – o Natal de Jesus Cristo – é sempre uma expressão doce, querida, desejada. É uma palavra que, qual flor odorífera, exala o suave e agradável aroma do amor, da paz, da esperança, da salvação.

Nesta quadra do ano, o crente sensível à graça divina recorda, com um frémito de emoção, a natividade de Jesus, o Redentor do mundo e nosso eterno Rei e Senhor. De facto, o acontecimento é de tamanha importância para o género humano, que seria impossível olvidá-lo.

Celebra-se, no mundo, o nascimento de guerreiros e políticos, de historiadores e poetas, de filósofos e cientistas, de escultores e pintores…, com mais forte razão deveria lembrar-se, de modo muito especial, a vinda à Terra do Salvador da humanidade.

Natal é para nós, seguidores de Jesus, uma palavra reconfortante, um vocábulo portador du'a mensagem de esperança e certeza. Por entre o negrume das trevas do materialismo e do pecado que domina os povos, refulge intensamente esta luz multissecular – Natal.

Natal é um farol que nos indica – viajores do encapelado mar da vida – o rumo certo para a felicidade temporal e eterna. Natal é sinónimo de segurança, de refúgio, de estabilidade absoluta em Cristo. Natal é outrossim um convite à paz, à concórdia, à fraternidade.

Natal fala-nos eloquentemente de amor. Se não fora Deus amar-nos, Cristo Jesus jamais viria a este Planeta, por consequência o Natal do Messias prometido não seria hoje um glorioso facto.

O Criador amou-nos antes da fundação do mundo quando concebia o plano da salvação; amou-nos durante as dispensações subsequentes, preparando o caminho do nosso Redentor; amou-nos em Belém e no Calvário; amou-nos aquando da ressurreição de Jesus. Ama-nos ainda hoje!

Praza a Deus que as pessoas de boa fé, de boa vontade, que porventura se encontrem transviadas, alienadas do Criador, dêem crédito à mensagem que o Natal de Jesus encerra e proclama!

|  Autor: Fernando Martinez  |  Divulgação: EstudosGospel.Com.BR |

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

A Marca da Besta...


Dentre todos os tópicos da Bíblia, talvez a marca da besta seja o que mais tem suscitado especulações e argumentações ridículas e bombásticas. Cristãos e não-cristãos debatem o significado de seu valor numérico. Mas o que diz, realmente, o texto bíblico?
O Número 666: Marca Registrada da Tribulação?
A questão central da Tribulação é: Quem tem o direito de governar, Deus ou Satanás? Deus vai provar que é Ele quem tem esse direito. Pela primeira e única vez na história, as pessoas terão uma data limite para aceitarem o Evangelho. Por enquanto, todos podem aceitar ou rejeitar essa mensagem em diferentes momentos da vida; alguns o fazem na infância, outros no início da fase adulta, outros na meia-idade, e alguns até na velhice. Mas, quando vier a Tribulação, as pessoas terão que tomar essa decisão de forma imediata ou compulsória por causa da marca da besta, de modo que toda a humanidade será deliberadamente dividida em dois segmentos. O elemento polarizador será precisamente a marca da besta.
A Bíblia ensina que o líder da campanha em defesa da marca da besta será o falso profeta, que está ligado à falsa religião (Ap 13.11-18). Apocalipse 13.15 deixa claro que o ponto-chave em tudo isso é adorar "a imagem da besta". A marca da besta é simplesmente um meio de forçar as pessoas a declararem do lado de quem estão: do Anticristo ou de Jesus Cristo. Todos terão que escolher um dos lados. Será impossível manter uma posição neutra ou ficar indeciso com relação a esse assunto. A Escritura é muito clara ao afirmar que os que não aceitarem a marca serão mortos.
O falso profeta vai exigir uma "marca" em sinal de lealdade e devoção à besta, e essa marca será "sobre a mão direita" – não a esquerda – "ou sobre a fronte" (Ap 13.16).
Toda a humanidade será forçada a escolher um dos lados:"...todos, os pequenos e os grandes, os ricos e os pobres, os livres e os escravos" (Ap 13.16). O Dr. Robert Thomas comenta que essa construção retórica "abrange todas as pessoas, de todas as classes sociais, [...] ordenadas segundo sua condição financeira, [...] abrangendo todas as categorias culturais [...]. As três expressões são um recurso estilístico que traduz universalidade".[1] A Escritura é muito específica. O falso profeta vai exigir uma "marca" em sinal de lealdade e devoção à besta, e essa marca será "sobre a mão direita" – não a esquerda – "ou sobre a fronte" (Ap 13.16).
A palavra "marca" aparece em muitas passagens da Bíblia. Por exemplo, ela é usada várias vezes em Levítico, referindo-se a um sinal que torna o indivíduo cerimonialmente impuro, e está geralmente relacionada à lepra. É interessante notar que o modo como Ezequiel 9.4 usa a idéia de "marca" é semelhante ao de Apocalipse: "E lhe disse: Passa pelo meio da cidade, pelo meio de Jerusalém, e marca com um sinal a testa dos homens que suspiram e gemem por causa de todas as abominações que se cometem no meio dela". Nessa passagem, o sinal serve para preservação, assim como o sangue espalhado nas ombreiras das portas livrou os hebreus durante a passagem do anjo da morte, como relata o Livro do Êxodo. Em Ezequiel, a marca é colocada na fronte, semelhantemente à do Apocalipse. Todas as sete ocorrências da palavra "marca" ou "sinal" (gr. charagma) no Novo Testamento em grego, encontram-se no Livro do Apocalipse, e todas se referem à "marca da besta" (Ap 13.16,17; 14.9,11; 16.2; 19.20; 20.4). O Dr. Thomas explica o significado desse termo na Antigüidade:
A marca deve ser algum tipo de tatuagem ou estigma, semelhante às que recebiam os soldados, escravos e devotos dos templos na época de João. Na Ásia Menor, os seguidores das religiões pagãs tinham prazer em exibir essas tatuagens para mostrar que serviam a um determinado deus. No Egito, Ptolomeu IV Filopátor (221-203 a.C.) marcava com o desenho de uma folha de trevo os judeus que se submetiam ao cadastramento, simbolizando a servidão ao deus Dionísio (cf. 3 Macabeus 2.29). Esse significado lembra a antiga prática de usar marcas para tornar pública a fé religiosa do seu portador (cf. Isaías 44.5), e também a prática de marcar os escravos a fogo com o nome ou símbolo de seu proprietário (cf. Gl 6.17). O termo charagma ("marca") também era usado para designar as imagens ou nomes dos imperadores, cunhadas nas moedas romanas e, portanto, poderia muito bem aplicar-se ao emblema da besta colocado sobre as pessoas.[2]
Alguns se perguntam por que foi usado um termo tão específico para designar a marca do Anticristo. Essa marca parece ser uma paródia do plano de Deus, principalmente no que se refere aos 144.000 "selados" de Apocalipse 7. O selo de Deus sobre Suas testemunhas muito provavelmente é invisível e tem o propósito de protegê-las do Anticristo. Por outro lado, o Anticristo oferece proteção contra a ira de Deus – uma promessa que ele não tem condições de cumprir – e sua marca é visível e externa. Como os que receberem a marca da besta o farão voluntariamente, é de supor que as pessoas sentirão um certo orgulho de terem, em essência, a Satanás como seu dono. O Dr. Thomas afirma: "A marca será visível e identificará todos os que se sujeitarem à besta".[3]
Uma Identificação Traiçoeira
Verificação da identidade pela leitura da íris. O Anticristo fará uso da moderna tecnologia.
Além de servir como indicador visível da devoção ao Anticristo, a marca será a identificação obrigatória em qualquer transação comercial na última metade da Tribulação (Ap 13.17). Este sempre foi o sonho de todos os tiranos da história – exercer um controle tão absoluto sobre seus vassalos a ponto de decidir quem pode comprar e quem pode vender. O historiador Sir William Ramsay comenta que Domiciano, imperador romano no primeiro século, "levou a teoria da divindade Imperial ao extremo e encorajou ao máximo a ‘delação’; [...] de modo que, de uma forma ou de outra, cada habitante das províncias da Ásia precisava demonstrar sua lealdade de modo claro e visível, ou então era imediatamente denunciado e ficava impossibilitado de participar da vida social e de exercer seu ofício".[4] No futuro, o Anticristo aperfeiçoará esse sistema com o auxílio da moderna tecnologia.
Ao longo da história, muitos têm tentado marcar certos grupos de pessoas para o extermínio, mas sempre houve alguns que conseguiram achar um meio de escapar. Porém, à medida que a tecnologia avança, parece haver uma possibilidade cada vez maior de bloquear praticamente todas as saídas. Essa hipótese é reforçada pelo emprego da palavra grega dunétai – "possa" (Ap 13.17), que é usada para transmitir a idéia do que "pode" ou "não pode" ser feito. O Anticristo não permitirá que alguém compre ou venda se não tiver a marca, e o que possibilitará a implantação desta política será o fato da sociedade do futuro não usar mais o dinheiro vivo como meio de troca. O controle da economia, ao nível individual, através da marca, encaixa-se perfeitamente no que a Bíblia diz a respeito do controle do comércio global pelo Anticristo, delineado em Apocalipse 17 e 18.
A segunda metade de Apocalipse 13.17 descreve a marca como "o nome da besta ou o número do seu nome". Isso significa que "o número do nome da besta é absolutamente equivalente ao nome, [...]. Essa equivalência indica que, como nome, ele é escrito com letras; mas, como número, é o análogo do nome escrito com algarismos".[5] O nome do Anticristo será expresso numericamente como "666".
Calculando o Número
O Anticristo não permitirá que alguém compre ou venda se não tiver a marca, e o que possibilitará a implantação desta política será o fato da sociedade do futuro não usar mais o dinheiro vivo como meio de troca.
Nesse ponto da profecia (Ap 13.18), o apóstolo João interrompe momentaneamente a narrativa da visão profética e passa a ensinar a seus leitores a maneira correta de interpretar o que havia dito. Uma leitura do Apocalipse demonstra claramente que os maus não entenderão o significado, porque rejeitaram a Jesus Cristo como Senhor e Salvador. Por outro lado, os demais que estiverem atravessando a Tribulação receberão sabedoria e entendimento para que possam discernir quem é o Anticristo e recusar a sua marca. A Bíblia deixa claro que aqueles que receberem a marca da besta não poderão ser salvos (Ap 14.9-11; 16.2; 19.20; 20.4) e passarão a eternidade no lago de fogo. O fato de João usar essa passagem crucial para transmitir sabedoria e entendimento aos crentes, com relação a um assunto de conseqüências eternas, mostra que Deus proverá o conhecimento necessário para que o Seu povo possa segui-lO fielmente.
Mas o que essa sabedoria e esse conhecimento permitem que os crentes façam? A passagem diz que podemos "calcular". Calcular o quê? Podemos calcular o número da besta.
O principal propósito de alertar os crentes sobre a marca é permitir que eles saibam que, quando em forma de número, o "nome" da besta será 666. Assim, os crentes que estiverem passando pela Tribulação, quando lhes for sugerido que recebam o número 666 na fronte ou na mão direita, deverão rejeitá-lo, mesmo que isso signifique a morte. Outra conclusão que podemos tirar é que qualquer marca ou dispositivo oferecido antes dessa época não é a marca da besta que deve ser evitada.
Portanto, não há motivo para os cristãos de hoje encararem o número 666 de forma supersticiosa. Se o nosso endereço, número de telefone ou código postal incluem esse número, não precisamos ter medo de que algum poder satânico ou místico nos atingirá. Por outro lado, temos que reconhecer que muitos ocultistas e satanistas são atraídos por esse número por sua conexão com a futura manifestação do mal. Porém, o número em si não tem poderes sobrenaturais. Quando um crente acredita nisso, já caiu na armadilha da superstição. A Bíblia ensina que não há nenhum motivo para atribuir poderes místicos ao número 666.
A Carroça na Frente dos Bois
Muitos têm tentado descobrir a identidade do Anticristo através de cálculos numéricos. Isso é pura perda de tempo. A lista telefônica está cheia de nomes que poderiam ser a solução do enigma, mas a sabedoria para "calcular" o nome não é para ser aplicada agora, pois isso seria colocar a carroça adiante dos bois. Esse conhecimento é para ser usado pelos crentes durante a Tribulação.
Em 2 Tessalonicenses 2, Paulo ensina que, durante a presente era da Igreja, o Anticristo está sendo detido. Ele será "revelado somente em ocasião própria" (v.6). Ao escolher a palavra "revelado", o Espírito Santo quis indicar que a identidade do Anticristo estará oculta até a hora de sua revelação, que ocorrerá em algum momento após o Arrebatamento da Igreja. Portanto, não é possível saber quem é o Anticristo antes da "ocasião própria". O Apocalipse deixa bem claro que os crentes saberão na hora certa quem é o Anticristo.
Como apontamos acima, o Apocalipse não deixa dúvida de que durante a Tribulação todos os crentes saberão que receber a marca da besta será o mesmo que rejeitar a Cristo. Durante a Tribulação, todos os cristãos terão plena consciência disso onde quer que estejam. Nenhuma das hipóteses levantadas no passado, ou que venham a ser propostas antes da Tribulação, merece crédito.
Apocalipse 13.17-18 diz claramente que o número 666 será a marca que as pessoas terão que usar na fronte ou na mão direita. Em toda a história, ninguém jamais propôs a utilização desse número em condições semelhantes às da Tribulação, de modo que todas as hipóteses já levantadas a respeito da identidade do Anticristo podem ser descartadas.
O mais importante nessa passagem é que podemos nos alegrar em saber que a identificação do futuro falso Cristo ainda não é possível, mas o será quando ele ascender ao trono. Com certeza, aquele a quem o número 666 se aplica é alguém que pertence a uma época posterior ao período em que João viveu, pois ele deixa claro que alguém iria reconhecer esse número. Se nem a geração de João nem a seguinte foi capaz de discerni-lo, isso significa que a geração que poderá identificar o Anticristo forçosamente estava (e ainda está) no futuro. No passado, houve várias figuras políticas que tipificaram características e ações desse futuro personagem, mas nenhum dos anticristos anteriores se encaixa perfeitamente no retrato e no contexto do Anticristo do final dos tempos.[6]
A Relação entre Tecnologia e a Marca da Besta
Muitos têm feito as mais variadas hipóteses sobre a marca da besta. Alguns dizem que ela será como o código de barras utilizado para identificação universal de produtos. Outros imaginam que seja um chip implantado sob a pele, ou uma marca invisível que possa ser lida por um scanner. Contudo, essas conjeturas não estão de acordo com o que a Bíblia diz.
A marca da besta – 666 – não é a tecnologia do dinheiro virtual nem um dispositivo de biometria. A Bíblia afirma de forma precisa que ela será:
  • a marca do Anticristo, identificada com sua pessoa
  • o número 666, não uma representação
  • uma marca, como uma tatuagem
  • visível a olho nu
  • sobre a pele, e não dentro da pele
  • facilmente reconhecível, e não duvidosa
  • recebida de forma voluntária; portanto, as pessoas não serão ludibriadas para recebê-la involuntariamente
  • usada após o Arrebatamento, e não antes
  • usada na segunda metade da Tribulação
  • necessária para comprar e vender
  • recebida universalmente por todos os não-cristãos, mas rejeitada pelos cristãos
  • uma demonstração de adoração e lealdade ao Anticristo
  • promovida pelo falso profeta
  • uma opção que selará o destino de todos os que a receberem, levando-os ao castigo eterno no lago de fogo.
A marca da besta é uma opção que selará o destino de todos os que a receberem, levando-os ao castigo eterno no lago de fogo.
Talvez na história ou na Bíblia nenhum outro número tenha atraído tanto a atenção de cristãos e não-cristãos quanto o "666". Até mesmo os que ignoram totalmente os planos de Deus para o futuro, conforme a revelação bíblica, sabem que esse número tem um significado importante. Escritores religiosos ou seculares, cineastas, artistas e críticos de arte fazem menção, exibem ou discorrem a respeito dele. Ele tem sido usado e abusado por evangélicos e por membros de todos os credos, tendo sido objeto de muita especulação inútil. Freqüentemente, pessoas que se dedicam com sinceridade ao estudo da profecia bíblica associam esse número à tecnologia disponível em sua época, com o intuito de demonstrar a relevância de sua interpretação. Mas, fazer isso é colocar "a carroça na frente dos bois", pois a profecia e a Bíblia não ganham credibilidade ou legitimidade em função da cultura ou da tecnologia.
Conclusão
O fato da sociedade do futuro não utilizar mais o dinheiro vivo será usado pelo Anticristo. Entretanto, seja qual for o meio de troca substituto, ele não será a marca do 666. A tecnologia disponível na época da ascensão do Anticristo será aplicada com propósitos malignos. Ela será empregada, juntamente com a marca, para controlar o comércio (como afirma Apocalipse 13.17). Sendo assim, é possível que se usem implantes de chips, tecnologias de escaneamento de imagens e biometria para implementar a sociedade amonetária do Anticristo, como um meio de implantar a política que impedirá qualquer pessoa de comprar ou vender se não tiver a marca da besta. O avanço da tecnologia é mais um dos aspectos que mostram que o cenário para a ascensão do Anticristo está sendo preparado. Maranata! (Thomas Ice - Pre-Trib Perspectives - http://www.chamada.com.br)
  1. Robert L. Thomas, Revelation 8-22: An Exegetical Commentary (Chicago: Moody Press, 1995), pp. 179-80.
  2. Thomas, Revelation 8-22, p. 181.
  3. Thomas, Revelation 8-22, p. 181.
  4. Sir William Ramsay, The Letters to the Seven Churches (New York: A. C. Armstrong & Son, 1904), p. 107.
  5. Thomas, Revelation 8-22, p. 182.
  6. Thomas, Revelation 8-22, p. 185.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

A Hora da Meia-Noite


"Então o reino dos céus será semelhante a dez virgens que, tomando as suas lâmpadas, saíram a encontrar-se com o noivo. Cinco dentre elas eram néscias, e cinco, prudentes. As néscias, ao tomarem as suas lâmpadas, não levaram azeite consigo; no entanto, as prudentes, além das lâmpadas, levaram azeite nas vasilhas. E, tardando o noivo, foram todas tomadas de sono e adormeceram. Mas, à meia-noite ouviu-se um grito: Eis o noivo! Saí ao seu encontro! Então, se levantaram todas aquelas virgens e prepararam as suas lâmpadas. E as néscias disseram às prudentes: Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas lâmpadas estão-se apagando. Mas as prudentes responderam: Não, para que nãos nos falte a nós e a vós outras! Ide, antes, aos que o vendem e comprai-o. E, saindo elas para comprar, chegou o noivo, e as que estavam apercebidas entraram com ele para as bodas; e fechou-se a porta. Mais tarde, chegaram as virgens néscias, clamando: Senhor, senhor, abre-nos a porta! Mas ele respondeu: Em verdade vos digo que não vos conheço" (Mateus 25.1-13).

Três Épocas da História da Igreja

  • a era dos apóstolos e os tempos pós-apostólicos (de Pentecostes até o início do século 3 d. C.)

       Esse foi o tempo do primeiro amor, caracterizado por uma espera diária e viva pela volta de Jesus Cristo, que o Senhor descreve da seguinte maneira:
 
"Então, o reino dos céus será semelhante a dez virgens que, tomando as suas lâmpadas, saíram a encontrar-se com o noivo" (Mt 25.1).

       Na época dos apóstolos e nos primórdios da Igreja, a Palavra ainda era tão viva e eficaz entre os crentes, que eles esperavam constante e intensamente pelo Senhor e por Sua volta. Era costume na época, por exemplo, cumprimentar-se com a saudação 
"Maranata", que significa "Vem, nosso Senhor!"
       Havia nesse tempo um movimento evangelístico, orientado pelo Senhor, indo em Sua direção como que com tochas acesas e brilhantes. Em quase todas as suas cartas, os apóstolos escreviam sobre a esperança viva da volta de Jesus, apresentando-a às igrejas como sendo possível a qualquer momento. Paulo, por exemplo, alegrou-se com a igreja de Tessalônica e confirmou para os cristãos dali:
 
"pois eles mesmos, no tocante a nós, proclamam que repercussão teve o nosso ingresso no vosso meio, e como, deixando os ídolos, vos convertestes a Deus, para servirdes o Deus vivo e verdadeiro e para aguardardes dos céus o seu Filho, a quem ele ressuscitou dentre os mortos, Jesus, que nos livra da ira vindoura" (1 Ts 1.9-10).
 
       E a Timóteo ele fez saber:
 
"já agora a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, reto juiz, me dará naquele Dia; e não somente a mim, mas também a todos quantos amam a sua vinda" (2 Tm 4.8).

       Os quase 270 capítulos do Novo Testamento mencionam aproximadamente 300 vezes a volta do Senhor Jesus. Um comentário bíblico diz o seguinte:
       Só alcançaremos o nível espiritual e a vida santificada que o Novo Testamento ensina, quando a espera pelo Senhor receber tanto espaço em nossos corações como o tinha nas igrejas dos tempos apostólicos. O Dr. Kaftan disse: "O maravilhoso poder da Igreja primitiva residia única e exclusivamente em sua esperança viva pela volta visível e pessoal de Cristo".
       Uma afirmação de Pedro, que se ajusta muito bem à parábola das dez virgens, mostra quanto o tempo dos apóstolos ainda era impregnado pela expectativa da volta de Jesus: 
 
"Temos, assim, tanto mais confirmada a palavra profética, e fazeis bem em atendê-la, como a uma candeia que brilha em lugar tenebroso, até que o dia clareie e a estrela da alva nasça em vosso coração" (2 Pe 1.19).
 
      De que modo as dez virgens foram ao encontro do Senhor? Com suas candeias acesas. Isso simboliza a palavra profética, que deve ser colocada no velador. A exortação do Senhor Jesus é:
 
"Cingido esteja o vosso corpo, e acesas, as vossas candeias. Sede vós semelhantes a homens que esperam pelo seu senhor, ao voltar ele das festas de casamento; para que, quando vier e bater à porta, logo lha abram" (Lc 12.35-37).
 
       De fato, a era da igreja primitiva era fortemente caracterizada pela espera pelo Senhor, como Jesus disse na parábola: "Então, o reino dos céus será semelhante a dez virgens que, tomando as suas lâmpadas, saíram e encontrar-se com o noivo".
 

  • Perda do primeiro amor e sono espiritual

       Rapidamente o primeiro amor ao Senhor Jesus e à Sua Palavra foi se extinguindo. Assim, houve um bloqueio na espera por Sua volta, que adormeceu. Esse período é descrito em Mateus 25.5:
 
"E, tardando o noivo, foram todas tomadas de sono e adormeceram". Mateus 25.5

       Já nas cartas às igrejas transcritas no Apocalipse, o Senhor teve de dizer:
 
"Tenho, porém, contra ti que abandonaste o teu primeiro amor. Lembra-te, pois, de onde caíste, arrepende-te e volta à prática das primeiras obras; e, se não, venho a ti e moverei do seu lugar o teu candeeiro, caso não te arrependas" (Ap 2.4-5).

       Logo após a morte dos apóstolos, a luz em relação à volta de Jesus começou a se extinguir nas igrejas. Certamente ainda havia muita atividade, mas a espera ardente, o primeiro amor de uma noiva por seu noivo, começou a diminuir. A espera adormeceu.
       As virgens prudentes tinham suas lâmpadas bem acesas e brilhantes – elas serviam para iluminar a chegada do noivo. Elas fizeram aquilo que Jesus havia exigido: deixaram suas luzes brilhar e esperavam por Ele. Elas firmaram-se na palavra profética e deram-lhe atenção "como a uma candeia que brilha em lugar tenebroso, até que o dia clareie e a estrela da alva nasça em vosso coração".
    Nesse contexto, creio que o Senhor estava tentando dizer à igreja de Éfeso aproximadamente o seguinte: "Você não é mais como uma virgem ou uma noiva, que vai ao encontro de seu noivo com a lâmpada acesa. Você abandonou o primeiro amor, mesmo possuindo a palavra profética. Mas de que ela serve, se você não a utiliza para iluminar seus passos para vir ao meu encontro? Por isso, arrependa-se, pois se você não o fizer, eu virei e tomarei de você o candelabro da palavra profética." E foi justamente isso que aconteceu: a luz da palavra profética quase perdeu-se completamente nos séculos subseqüentes.
       "E, tardando o noivo, foram todas tomadas de sono e adormeceram." Na história da Igreja, as coisas desenrolaram-se exatamente como está descrito aqui de maneira figurada. O Senhor Jesus tardou em vir. Ele demorou para voltar. E aí o cristianismo foi tomado de sono espiritual, que fez adormecer todas as esperanças pela volta do Senhor. Os cristãos deixaram de vigiar, exatamente o que deveriam ter feito seguindo as repetidas e claras ordens de Jesus. E por saber dessa situação, Ele exortou Sua Igreja:
 
"Cingido esteja o vosso corpo, e acesas, as vossas candeias" (Lc 12.35).
 
"Sede vós semelhantes a homens que esperam pelo seu senhor, ao voltar ele das festas de casamento; para que, quando vier e bater à porta, logo lha abram" (v. 36).

"Vigiai, pois, porque não sabeis quando virá o dono da casa: se à tarde, se à meia-noite, se ao cantar do galo, se pela manhã; para que, vindo ele inesperadamente, não vos ache dormindo" (Mc 13.35-36).

       Com o desaparecimento da espera pela volta de Jesus, foi minguando também o conhecimento sobre o assunto. É assustador observar que aproximadamente a partir do ano 300 d. C. não se acham mais menções da volta de Jesus na literatura cristã da época. Praticamente nenhum hino daquele tempo e nenhum comentário bíblico, do ano 300 d. C. até o século 18, fala da espera pela volta de Jesus para buscar Sua Igreja, para arrebatar Sua noiva. Mesmo nos tempos da Reforma existem poucos registros de referências ao arrebatamento da Igreja. O retorno à Palavra de Deus nesse tempo foi maravilhoso e havia a crença na volta de Jesus, mas apenas para o fim dos dias, no dia do Juízo Final. Todo o restante a respeito da volta do Senhor desapareceu do cristianismo. A espera pela volta de Jesus foi como que encoberta, soterrada.
Gerhard Herbst escreveu:
Nas igrejas e denominações, inclusive na hinologia, a diferença entre o arrebatamento e a volta de Jesus praticamente inexiste ou é desconsiderada. Quando se chega a falar sobre a volta de Jesus, pensa-se sempre na volta visível do Senhor sobre o monte das Oliveiras. Mas essa é a esperança de Israel e não da Igreja de Jesus... O arrebatamento da Igreja de Jesus é o próximo acontecimento para a Igreja, o próximo evento pelo qual ela deve esperar. E essa volta não está condicionada a sinais prévios.
  • Despertamento espiritual

       Essa última fase tem mais ou menos 150 a 200 anos. Ela coincide praticamente com a volta dos primeiros imigrantes judeus para sua pátria. Por quê?
       Essa terceira época situa-se no final do tempo da graça e é o chamado 
"tempo do fim". Na parábola das dez virgens esse período é descrito da seguinte maneira:
 
"Mas, à meia-noite, ouviu-se um grito: Eis o noivo! Saí ao seu encontro! Então, se levantaram todas aquelas virgens e prepararam suas lâmpadas" (Mt 25.6-7).

       A partir do início do século 19 (e mesmo um pouco antes) o cristianismo vivenciou uma forte ação do Espírito Santo. Surgiram movimentos avivalistas, sociedades missionárias floresceram. Novos hinos foram compostos, e a volta de Jesus para o arrebatamento da Sua Igreja passou a ser novamente proclamada. Um dos pregadores dessa época foi o inglês John Nelson Darby (1800 – 1882), fundador das Igrejas dos Irmãos. A luz voltou a brilhar e resplandeceu claramente, ao ser anunciada novamente a vinda de Jesus para buscar Sua Igreja – a candeia voltou a ser colocada no velador. Mas esse movimento não se restringiu apenas à Inglaterra. Também nos Estados Unidos muitos se levantaram e começaram a publicar material falando da volta de Jesus para a Igreja e tornando esse o tema central de suas pregações.
       Darby era de opinião que a Igreja tinha entrado em decadência desde o tempo dos apóstolos. Ele pretendia contribuir para um renascimento dos tempos apostólicos. Uma enciclopédia teológica diz de Darby: "Extensas viagens pela Europa ocidental, à América do Norte e à Austrália contribuíram para o ajuntamento espiritual da igreja de Filadélfia nos tempos finais, preparando-a para a volta de Jesus".
       No século 19 descobriu-se novamente a diferença entre o 
"arrebatamento" e o "Dia do Senhor". Paralelamente surgiram muitas igrejas independentes, pois havia homens e mulheres corajosos que romperam com os sistemas eclesiásticos vigentes na época, passando a pregar a mensagem clara da iminente volta do Senhor.
       Como aconteceu esse despertamento, como foi redescoberta a verdade sobre o arrebatamento? Foi como se, de repente, as pessoas acordassem de um longo e profundo sono! Certamente esse foi um chamado do Espírito Santo de Deus, que repentinamente despertou a muitos por estarmos nos aproximando da volta de Jesus! Sim, realmente nos encontramos na hora da meia-noite, quando soará o chamado do Espírito: 
"Eis o noivo! Saí ao seu encontro!"
       Certamente não foi por acaso que, paralelamente com esse reavivamento espiritual da Igreja de Jesus, tenha se iniciado também a restauração de Israel e o repentino despertar dos judeus para retornarem à sua pátria. Esses dois movimentos são dirigidos pelo Espírito Santo. Maranata! Vem, nosso Senhor!
Autor:  Norbert Lieth
Publicado anteriormente na revista Chamada da Meia-Noite, novembro de 2000.

domingo, 18 de dezembro de 2011

Pastor de Megaigreja Aborda Confusão sobre Profecias Fim dos Tempos

Um respeitado pastor de megaigreja discursou sobre a confusão sobre profecias tempos finais em seu novo livro, diferenciando o que a Bíblia diz claramente sobre temas como o arrebatamento, o Anticristo, o governo milenar de Jesus, e o que é deixado à especulação.
Dr. Jim Dixon, pastor sênior da Cherry Hills Community Church em Highlands Ranch de 10.000 membros, Colorado, escreveu Last Things Revealed (últimas Coisas Reveladas) com o objetivo de ajudar os Cristãos a compreender melhor os ensinamentos do núcleo da Bíblia sobre os últimos dias, superar seus medos do fim dos tempos, crescer na fé, e compartilhar o amor de Deus com outras pessoas no momento em que tiverem deixado a Terra. O livro é baseado na série de sermão Dixon em oito partes chamadas "coisas do passado." Autor best-seller e apologista Lee Strobel, que é membro da Cherry Hills Community Church, escreveu o prefácio do livro.
"Eu acho que é importante para todas as gerações estudar escatologia, estudar os eventos que foram profetizados," disse Dixon, um estudioso respeitado, que ajudou a fundar a denominação Igreja Evangélica Presbiteriana em 1980, ao The Christian Post na quinta-feira. "Eu não estou dizendo que somos a última geração. [Mas] eu acho que eu ficaria surpreso se Cristo não voltar em breve. Por isso, quero dizer, talvez, em minha vida, talvez na vida dos meus filhos, ou pelo menos na vida dos meus netos.
"Eu não estou tentando definir o dia nem a hora. Eu só estou dizendo que eu acho que existem muitos sinais de que estamos na época de seu retorno."
Concordância dos Sinais Fim dos Tempos
Embora os estudiosos discordem em muitos detalhes sobre o fim dos tempos, Dixon disse que há sinais mais que acordar. A maioria dos estudiosos concordam que a Bíblia diz claramente que nos últimos dias haverá apostasia, ou falsas idéias dentro da comunidade cristã.
Dixon separa a apostasia em duas formas: a apostasia doutrinária, a respeito do que crentes pensam e acreditam, e apostasia moral, o que os seguidores de Jesus fazem. Ele citou 2 Timóteo 4:3-4, onde Paulo diz: "Porque virá o tempo quando as pessoas não vão colocar-se com a sã doutrina. Em vezes disso, para se adequarem às suas preferências, eles reunirão ao seu redor um grande número de professores para dizer que os ouvidos ansiosos querem ouvir. Eles fecharão seus ouvidos à verdade, entregando-se às fábulas" (Biblia).
"Eu acho que nós estamos vendo a apostasia em nossos dias de uma forma sem precedentes. Eu acho que nós estamos vendo mais líderes da Igreja deixando ortodoxia," disse Dixon. "Eu acho que é o sinal chave. Eu acho que nós vemos as principais denominações deixando a fé cristã histórica. Vemos Cristãos a questionar a divindade de Cristo, questionando o significado da crucificação, negando a expiação substitutiva. Vemos Cristãos a questionar a realidade do inferno e o juízo eterno."
Outros sinais importantes são as calamidades naturais, disse Dixon. Ele apontou para o "incrível" número de tremores de terra, incluindo os do Chile, Nova Zelândia, e mais recentemente Japão, como exemplos.
O pastor da região de Denver observou: "Um terremoto de 9,0 graus sismologicamente é apocalíptico. O maior já registrado foi no Chile em 1960 e era 9,5."
Outras sinais do fim dos tempos incluem a peste e a fome. Os cientistas estão agora a criar peste geneticamente modificadas e há cerca de 2 bilhões de pessoas que ganham US $ 1-2 por dia e passam fome. Há também os sinais de erosão moral de valores judaico-cristãos do mundo e o renascimento da nação de Israel em 1948 e o retorno do povo judeu à sua pátria.
"Todas estas coisas são certamente os sinais do tempo. Eu acho que há muitos indicadores de que o retorno de Cristo possa ser relativamente breve," comentou Santos.
Detalhes do fim dos tempos em debate
Muitos detalhes sobre os tópicos mais populares sobre o fim dos tempos, como o anticristo, o arrebatamento, e o governo do milênio de Jesus são mais especulativos, segundo um graduado de Fuller. Embora os estudiosos e pastores dão respostas definitivas às vezes sobre essas profecias, a Bíblia não é clara sobre os detalhes exatos e não é necessário estar de acordo, Dixon afirmou.
Em relação ao Anticristo, o que fica claro é que o que ele vai ser contra Cristo, tentar tirar o lugar de Jesus como o rei dos reis, tentar ganhar o poder de todo o mundo (2 Tessalonicenses 2:1:10), e ser consumido por ódio (Apocalipse 12).
O que não está claro é se o Anticristo é uma única pessoa ou um outro tipo de entidade.
"às vezes, o Anticristo é chamado de "ele" e, por vezes 'ele' ou 'eles,'" destacou Dixon no livro. "O Anticristo, no entanto, nunca é 'ela,' então as mulheres estão fora do gancho."
Ele ressaltou que alguns estudiosos afirmam que o Anticristo pode ser tanto "ele" quanto "ela." Em 2 Tessalonicenses 2:3, Paulo chamou o Anticristo o "homem da iniquidade." Mas o pronome "ele" poderia significar o espírito do anticristo que a Bíblia diz que já está em ação no mundo, disse Dixon no livro.
Notavelmente, muitas pessoas tentaram descodificar o número do Anticristo ou a besta, 666, conforme registrado em Apocalipse 13. Alguns acreditavam que o imperador romano Nero - que assassinou seus pais, esposa grávida, e os Cristãos, pondo fogo neles como tochas humanas durante a noite - era o Anticristo. As letras do nome grego "Neron Caesar," quando traduzido para o hebraico somaram 666.
E os líderes do movimento protestante Martinho Lutero e João Calvino acreditavam que o Anticristo seria um papa corrupto. As palavras "igreja italiana" em grego somam 666. Mas, em seguida, os líderes católicos disseram que encontraram maneiras de fazer a soma de "Martinho Lutero" para o número 666. As pessoas também têm encontrado maneiras de fazer as contas somarem 666 para figuras históricas de Adolf Hitler, Saddam Hussein, e Bill Gates, apontou Dixon no livro.
"Brincar com os números realmente não nos ajudam a desvendar mistérios sobre o anticristo," escreveu ele. "Só turva a água."
Quanto ao arrebatamento, o pastor Colorado disse que o que a Bíblia é clara é que isso vai acontecer (1 Tessalonicenses 4 e 2 Tessalonicenses 2:1). O arrebatamento é o processo quando os crentes são "apanhados" ou recebidos por Cristo quando ele retorna.
A controvérsia sobre o rapto é a respeito de quando isso acontece. Estudiosos discordam se o arrebatamento ocorrerá antes, durante ou depois da tribulação. Pré-tribulacionistas acreditam que Cristo trará o arrebatamento ou removerá seus seguidores antes da tribulação para que eles não tenham de suportar a ira divina nos últimos dias. Meso-tribulacionistas acreditam que o arrebatamento acontecerá no meio da tribulação, e pós-tribulacionistas dizem que o arrebatamento terá lugar no final da tribulação e os Cristãos terão de suportar todas as catástrofes, juntamente com os incrédulos.
"Eu não acredito que a Bíblia é clara sobre este assunto," escreveu Dixon. "Cada ponto de vista tem passagens bíblicas que aparecem apoiá-lo. Por 35 anos, tenho estudado estas coisas, e eu posso defender todas as três posições. Mas, na minha opinião, nenhum resume todas as passagens."
A ficção popular apocalíptica deixados por Tim LaHaye e Jerry Jenkins tem uma visão pré-tribulacionista do arrebatamento.
Outra área muito controversa sobre o fim dos tempos está sobre o Estado do milênio de Jesus na Terra (Apocalipse 20:1-10). A Bíblia diz que quando Jesus Cristo voltar, ele vai governar o mundo por 1.000 anos. O que os especialistas discordam sobre o momento do milênio, um tempo em que Jesus vai trazer justiça e paz para o mundo.
Os pré-milenistas acreditam que Jesus voltará para reinar por mil anos antes do julgamento final com base em uma interpretação literal do Apocalipse 19-21. Os pós-milenistas dizem que Jesus não vai voltar após o milênio. Pós-milenistas acreditam que, em vez de Jesus reinar por mil anos, a Igreja reinará e trará a justiça e a paz para o mundo.
E, finalmente, há a visão A-milenalista, que define a palavra mil como sendo símbolo de conclusão ou totalidade. Segundo essa visão, já estamos vivendo no milênio com Jesus reinando espiritualmente sobre a Igreja, não do mundo. O milênio, de acordo com um milenistas, começou no dia de Pentecostes (quando a Igreja foi fundada, como registrado no livro de Atos) e terminará com a segunda vinda (quando a Igreja vai entrar com Jesus Cristo em Nova Jerusalém).
A maioria dos evangélicos, incluindo Dixon, são pré-milenistas.
"Muitos Cristãos pegam o Left Behind e lêem os livros e eles pensam que isso é um somatório do que a Bíblia ensina," disse Dixon durante a entrevista de CP. "E realmente, muitas vezes é simplesmente a representação de uma perspectiva possível entre muitas perspectivas no mundo cristão."
Para as pessoas que temem o fim dos tempos, Dixon disse que a única maneira de superar essa ansiedade é que eles a dêem suas vidas a Cristo.
"Cristo é o nosso salvador, Ele é nosso Senhor, e superar o medo de encontrar a paz que só ele pode trazer, e é a paz da salvação," disse Dixon.

Nosso FACEBOOK

Seguidores

Páginas