My script

Siga-nos no Facebook

Nosso Instagram

Instagram

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Num Abrir e Fechar de Olhos


“Num momento, NUM ABRIR E FECHAR DE OLHOS, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados.” (I Co. 15:52).

Nossas pálpebras piscam mais rápido que a nossa própria imaginação: “O fim do mundo”. Nossos olhos são impressionantes! São a Luz de nosso corpo! O Farol de nossa alma. Os olhos precisam ser sempre saudáveis. Eles nos dão cores, vida e luz no dia e noite. Por isso piscamos. Fechamos e abrimos os olhos para lubrificá-los, limpá-los. É um momento muito rápido, abrir e fechar de olhos.

Há uma revista científica que curto muito: Super Interessante, Editora Abril, em seu artigo 19, a revista afirma que um adulto normal fecha os olhos 24 vezes por minuto. Para umidificá-los e lima-los.

As Pálpebras funcionam como se fossem limpadores de pára-brisa. Uma piscada dura apenas alguns décimos de segundo, e esse tempo bem como a freqüência das piscadas variam de acordo com o estado geral e com o humor de cada pessoa. Com muito cansaço, por exemplo, pisca-se cerca de quarenta vezes por minuto.

Estudos recentes indicam, por análise de eletroencefalogramas, que o cérebro “desliga” o olho cerca de 50 milésimos de segundo antes de cada piscada. Isso seria uma forma de economizar o olho, pois este, durante a piscada, não seria mesmo capaz de passar nenhuma informação visual ao cérebro. Somando-se o tempo de “desligamento” do olho relativo a uma freqüência de 24 piscadas por minuto, chega-se ao total de 1,2 segundo de cegueira por minutos, o que corresponde, numa vida de 70 anos, a aproximadamente 21 dias sem enxergar.

A Bíblia diz que todo o olho verá Jesus vindo sobre as nuvens para reinar. (Ap. 1:7).

Num abrir e fechar de olhos. Gosto de levar essa pregação comigo. Lembro-me de uma vez em que pregava numa cidade do interior de Goiás, no Brasil, numa praça de Luziânia. Era uma noite de sábado, um pouco fria, porém iluminada e alegre. Havia muitos jovens ao redor daquela praça. Muitas pessoas sentaram para ouvir e outras continuavam passeando, comendo, comprando e passeando pela feira daquela praça. Deus me levou a falar da volta de Jesus na terra. Foi quando comecei a rascunhar sobre o piscar de olhos. E foi sobre isso que preguei.

Às vezes costumamos relacionar o fim do mundo com a volta de Jesus. Contudo, antes desse episódio chamado FIM, a humanidade experimentará e verá com seus olhos outros eventos acontecendo no céu, para aqueles que subirem no *arrebatamento e na terra, infelizmente para aqueles outros que ficarem. Vamos aprofundar o roteiro desse ensino num futuro artigo porque hoje vamos prender nossa atenção na velocidade de uma piscada, o momento em Jesus retornará em nuvens com júbilo e grande clamor de trombetas. Ele nos chamará pelo nome, nós o veremos e o ouviremos. Nossos olhos o verão e nós, o que estivermos vivos, seremos transformados e subiremos com Ele.

Ao terminar a pregação, o que me chamou a atenção mesmo foi que algumas pessoas que ouviam de longe o ensino, me procuraram e disseram que estavam com medo, um dia o mundo iria “acabar”. Eram jovens cristãos desviados do evangelho verdadeiro, não estavam com a certeza do arrebatamento para o céu Naquele Dia… Minha resposta foi imediata: Jesus não veio para destruir o mundo, veio para salvar o que se havia perdido.

Tomem logo a atitude do reencontro com Ele. Oramos ali mesmo num momento muito festivo de reconciliação. Glória a Deus!

Leia o ensinamento de Jesus a este respeito no livro de Mateus 24, o capitulo todo nos dá uma explanação completa sobre este episódio tão esperado pelos crentes verdadeiros.
Pois é…como podemos ver, a Vinda do Filho do Homem será a qualquer hora, a qualquer momento… Numa simples “piscada’ de tempo. Num abrir e fechar de olhos!

Vamos vigiar, né?

Até mais futuros moradores do céu!!



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nosso FACEBOOK

Seguidores

Páginas