My script

Siga-nos no Facebook

Nosso Instagram

Instagram

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Maiores inimigos de Israel fazem aliança para destruir Judeus

Hamas e Fatah chegam a acordo para governo palestino unificado
Ali Khamenei
O maior líder religioso do Irã, aiatolá Ali Khamenei, afirmou recentemente que seu país apoiará todos aqueles que se oporem a Israel. “No futuro, apoiaremos todo aquele que se opor ao regime sionista”. Para o aiatolá, Israel “é um tumor cancerígeno que deve ser cortado. E ele será cortado com a ajuda de Deus”.
Benjamin Netanyahu
As declarações forma feitas após Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro israelense, ter criticado o Irã por deslocar dois navios de guerra até o Canal de Suez. Os Estados Unidos fizeram ameaças de intervenção militar contra o Irã, caso o impasse do uso do canal continue.
Khamenei afirmou ainda que “as ameaças de guerra podem prejudicar os Estados Unidos. A guerra vai dez vezes contra seus interesses”. O secretário de Defesa norte-americano, Leon Panetta, disse acreditar que Israel poderá atacar o Irã em abril, afirmou ao jornal The Washington Post. Isso seria compreensivo após a acusação de Israel que o governo iraniano tem se dedicado a fabricar bombas nucleares.
O Irã nega, afirmando que seu programa nuclear é civil e tem objetivos pacíficos, sendo utilizado com fins médicos, entre outras coisas. No discurso de Khamenei, ele reiterou que sempre haverá um “envolvimento direto” do Irã no “confronto palestino e libanês” com Israel.
Ao mesmo tempo iranianos, descendentes dos persas e inimigos históricos de Israel, se posicionam a favor dos inimigos dos judeus, e os palestinos, “versão moderna dos filisteus”, outro grande inimigo, se unem na possibilidade de atacar e aniquilar os israelitas.
Um passo importante para isso foi dado ontem, quando os grupos rivais Hamas e Fatah, duas das principais facções terroristas palestinas, colocaram suas diferenças de lado e decidiram formar um governo de unidade na Cisjordânia e na Faixa de Gaza.
Durante em um encontro em Doha, no Catar, ficou acertado que o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, liderará um governo nacional interino, visando  preparar eleições em breve.
Abbas assumirá o cargo de primeiro-ministro, substituindo Salam Fayyad, que tem uma forte identificação com o Ocidente. O acordo prevê que um novo governo, mais forte e unido, que poderá exercer maior pressão política visando o reconhecimento da Palestina como um Estado independente. Isso resultaria, em última instância, na divisão de Jerusalém como capital.
A UNESCO, ligada à ONU, já reconhece a Palestina como Estado. Outros países árabes tem feito pressão para que a ONU como um todo faça o mesmo. Há o apoio inclusive do Brasil para isso. O certo é que uma aliança de palestinos e iranianos neste momento gera um grande alerta para novos ataques contra a nação de Israel.
Com informações Terra e Haaretz, extraido do site www.gospelprime.com.br

SIGA-NOS NO TWITTER: @PrElimarGomes.
Visite nossos perfis no FaceBook, Orkut, Foursquare e seja um divulgador das matérias publicadas neste veiculo gospel de informações acerca dos sinais da 2ª Volta de Jesus Cristo.
No amor do Pai!
Rev. Elimar e Pra. Erica Gomes 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nosso FACEBOOK

Seguidores

Páginas