My script

Siga-nos no Facebook

Nosso Instagram

Instagram

domingo, 4 de fevereiro de 2018

Como Deus faz com um vaso

Quero através desse estudo, fazer uma comparação, em como Deus faz um vaso em suas mãos, todo processo é muito doído.

Para isso vamos analisar Jeremias 18.1-6


Lendo essa palavra podemos colocar aqui quatro passos para ser fazer um vaso, e com certeza essa vai ser uma mensagem de impacto em sua vida, pois você vai ver como Deus está fazendo com muitas pessoas, e creio que está fazendo com você também. Deus tem um jeito todo especial para moldar o caráter daqueles que ele escolheu para fazer sua obra, e daqueles que o aceitarem como salvador de suas vidas, e quero mostrar nesse estudo como não é fácil ser moldado por Deus, é nesse momento em que Deus começa a moldar os vasos que muito que acham que servir a Deus é fácil, outros que se intitulam pastores, presbíteros, diáconos, obreiros e etc.…, acabam parando no meio do caminho, ou até mesmo desistindo de tudo, saindo dos caminhos do senhor, infelizmente é isso que muitas vezes acontecem, e nós paramos e pensamos que muitas vezes foi satanás que fez o servo de Deus cair, desistir, desanimar, mas às vezes é porque ele não quis ser moldado por Deus. Mas quero dizer que isso só acontece com aqueles que não estão estruturados na palavra de Deus, que acham que é fácil seguir o caminho estreito. Se segura que Deus vai falar com você através desta palavra com certeza.

Como eu disse no começo, são apenas quatro passos para se fazer um vaso.

1º- passo: A separação do barro, ou a escolha do barro

Pois se você não sabia existem aproximadamente duzentos tipos de barro, Alguns tipos de barro podem ser encontrados a céu aberto e outros em minas subterrâneas. Há o barro magro que parte com facilidade quando trabalhado, e o barro gordo que possui mais maleabilidade e plasticidade. O barro precisa ser úmido e maleável (fácil de trabalhar, não pode ser duro). Mas somente oito tipos é que pode ser usado na confecção do mesmo, sabe o que isso significa? Dentre tantos; Deus te escolheu (você é barro bom). Não importa se na escalada social você está em baixo ou em cima; Deus vai trabalhar em você! Se seu barro é magro (fraco, sem liga) o Espírito Santo vai interligar suas fraquezas com o poder de Deus e vai torná-lo material de primeira linha para a olaria de Jeová. Se você foi escolhido por Deus, você é um barro especial. Quando o oleiro vai se preparar para fazer um vaso de barro, (oleiro: aquela pessoa que trabalha na fabricação de artigos de barro), a primeira coisa que ele faz é separar o barro, assim Deus faz em nossa vida, nos separa primeiro, pois como disse tem apenas oito tipos de barro para se fabricar vaso, depois de separado ele começa a amassar o barro bem devagarzinho, depois deixa por um momento e vem ver a consistência, e amassa mais um pouquinho, e vai amassando até ter uma consistência ideal para ir para o 2º passo. Assim Deus faz com cada um de nós, primeiro ele nos tira do lamaçal do pecado, de um tremedal da lama, e começa a amassar nossas vidas, mas porque amassar? É nesse processo que ele vai tirando todas as impurezas que tem em nossas vidas, pois o barro quando tirado, traz consigo impurezas da terra, e nós quando estávamos no mundo, e quando fomos resgatados de lá, trouxemos conosco uma gama de impurezas, muita lascívia, prostituição, magoas, ódio, rancores, maldições hereditárias, e muitas outras coisas, que até mesmo nos envergonhamos da falar.

E assim vai Deus com sua tarefa, de tirar e separar todas as impurezas de nossa vida, e é nesse momento que muitos que se dizem crente, param no meio do caminho, pois não deixam o senhor Jesus tirar e limpar as impurezas de suas vidas, e quer ficar na igreja como vieram do mundo, cheios de sujeira, e ainda por cima querem trabalhar na obra de Deus, e quando Deus vai amassá-los para separar a sujeira, caem fora, não deixam o senhor Jesus fazer a obra completa, e tenho certeza que você já viu muitos assim, querem crescer espiritualmente, mas não se deixam moldar por Jesus, não querem passar pelo primeiro processo, que é a separação, mas se você que está lendo essa mensagem ainda não passou por esse momento, hoje pode ser o momento em que Deus vai tirar toda a sujeira que ainda existe em você, pois assim ele pode usar você de uma forma tremenda e sobre natural na sua vida.

2º- passo: o curtimento e pisamento.

É nesse momento que dói muito em nós, pois Deus primeiro nos deixa para o curtimento. E o que é curtimento? É o lugar onde o barro fica por um determinado tempo para criar consistência, Deus também nos deixa num cantinho para adquirirmos consistência, e parece que só fala com todos e ouve todos, menos a nós mesmo. É um momento muito difícil, pois ficamos que jogados pra escanteio, mas eu quero lhe dizer que não estamos jogados, é preciso passar pelo processo do curtimento, pois é nesse momento que adquirimos mais liga, que refletimos mais sobre nossa vida, e quanto maior a obra de Deus para nossa vida, mais tempo vamos passar no curtimento, pois assim adquirimos mais resistência para ir à obra, pois nesse passo Deus está avaliando você, pra ver se você tem capacidade para fazer a obra que ele tem preparado para você, pois você conseguiu passar pelo primeiro processo, e terá que passar pelo segundo passo, no curtimento ninguém nos ouve, somos deixados sempre de lado, não temos valor nenhum para o homem, mas para Deus somos mais que valiosos, pois quando estamos no curtimento, estamos sendo preparados para ser usado por ele, pois ainda estamos frágil, fracos para encarar a obra, mas nesse momento Deus está à observar você, vendo como se comporta no curtimento, pra ver se o barro não quebra, se corrompe com o ar que se forma dentro do barro, é nesse momento que você pensa que Deus esqueceu de você, mas ele não esqueceu não, pois quanto maior for o vaso, mais tempo de curtimento, aleluia, quanto maior a obra em sua vida, mais tempo terá que passar no curtimento.

Depois do curtimento vem o pisamento, é nesse momento que tem que tirar todo o ar existente no barro. Deus também nesse processo permite que você seja humilhado, pisado, até mesmo pelos seus. Deus permite sermos pisados, pois todo ar do nosso orgulho, vaidade, autoconfiança, o eu, egoísmo, vai saindo e ficando um barro puro, e Deus quer vasos puros na obra dele, vasos sem ar, resistente, que possam agüentar o trabalhar, vasos que sejam usados e aprovados. Nesse momento é doído, porque não queremos deixar nosso eu sair, nossa vaidade, nosso ego, não me toque que eu sou o tal, mas Deus muda tudo isso, tira todo ar de nossas vidas, aleluia, e muitos não conseguem passar por esse processo, pois o processo de limpeza e curtimento é doído demais, é somente os valentes que passam, e muitos se dizem valentes, mas no fundo são covardes, pois não conseguem passar pelo pisamento, não se deixam ser tirados o ar de sua vida, ar impuro, querem continuar com as impurezas em suas vidas.

3º passo: o molde.

Que processo mais difícil esse. Assim que você conseguiu passar pelo 2º processo, o curtimento e pisamento, vem a parte da modelagem, é onde o oleiro pega o barro e começa a moldar com suas mãos bem preparadas e calmas.

Nesse processo Deus também nos pega e começa a nos moldar.

Primeiro vem o molde por fora, é onde muitos não querem ser moldados por fora, onde Deus pega e começa a trabalhar em nossa vida, nosso caminhar, alias tem crentes que mesmo depois de convertidos andam com cada tipo de pessoas, que temos até vergonha de falar que ele é de nossa igreja, o jeito de falar ainda não mudou, falam como se estivessem ainda no mundo, somente palavras obscenas, vivem amaldiçoando as pessoas, e em todo lugar que vão é só gritaria, blasfêmias, tem uma língua mais comprida que a gravata do pastor, parecem maritacas antes da chuva, vivem na fofoca, falando mal dos irmãos e de todos, nosso jeito de se vestir, alias tem umas irmãs que ainda não conseguiram passar por esse processo, vem com cada tipo de roupas na igreja que misericórdia, o pastor passa apurado para pregar, tem que ficar de olhos fechados, e a igreja pensa que ele esta na unção, mas é para não ver o jeito que as irmãs sentam em frente dele, tem alguns irmão que ainda não aprenderam a se vestir corretamente, colocam cada tipo de roupas, querem ser como estavam no mundo, e todo sensual, mas Deus nesse processo começa a moldar esse tipo de comportamento, pois o oleiro tem que deixar o vaso bem bonito, senão ninguém se interessa por ele, e quantos estão assim dentro da igreja, não se querem ser moldados por fora, querem continuar do mesmo jeito do mundo, mas Deus quando pega nada escapa, nada.

Depois de ser moldado por fora vem por dentro, ah! É nesse processo que dói, pois nesse processo Deus mexe no coração da pessoa, e muitos não gostam que mexem no coração. Deus tira todo o rancor, toda mágoa, toda falta de perdão, arranca tudo que impede do vaso ser usado por ele, é um processo muito doido, pois Deus mexe no profundo da alma, curando, libertando, limpando todas as impurezas, e muitos não suportam esse processo, fogem logo no começo do processo, é por isso que tem crentes que quando Deus começa a modelagem saem da presença dele, pois muitos não querem se deixar ser moldados, e Deus precisa moldar muitos crentes por dentro, pois muitos estão em cima de púlpitos com o coração cheios de ódio, raiva, rancor, com remorso, não conseguiu liberar perdão, tristeza, ressentimento, e ainda querem ser usado por Deus, mas como?! Se eles não se deixam ser moldados por dentro, e o homem fala do que está cheio o coração, como você vai conseguir ouvir uma boa mensagem, se aquele vaso não está moldado ainda por dentro, e se você ainda não deixou Deus moldar você por dentro, hoje pode ser o dia, e só você deixar Deus agir e cumprir as promessas em suas vidas, depois dessa mensagem eu creio que você vai deixar Deus moldar você, e seu ministério vai crescer de uma forma tremenda, muitas bênçãos vão ser derramadas em sua vida, aleluia! Glória a Deus.

4º passo: o fogo.

Esse é o processo mais difícil da vida de um crente, muitos não conseguiram ainda passar pelo fogo, e têm muitos que nem conseguiram passar pelo primeiro processo, quanto mais chegar nesse processo. É onde o oleiro coloca o vaso no fogo, pois através do fogo ele fica resistente e pronto para ser usado. E quantas vezes somos provados a fogo, todos os dias em nossa vida, precisamos passar pela fornalha de Deus, pois nesse processo Deus testa nossa fé, pois para sermos vasos preciosos temos que passar pelo fogo, pois no fogo o vaso fica pronto para ser usado, ele cria resistência e fica puro, pronto para ser usado, como Daniel passou pelo fogo e foi aprovado por Deus, é assim nos dias de hoje, crente tem que viver no fogo do Espírito, enquanto temos crentes que só vivem no fogo da carne, temos que buscar mais e cada vez mais a presença do Espírito Santo em nossas vidas, é no fogo que ficamos mais resistentes, mais fortes para a obra, e muitos não querem nem saber do fogo de Jeová, quando Deus quer derramar fogo eles caem fora, pois tem medo de serem queimados pela gloria, pois suas vidas está só que pecados, porque depois do fogo, vem o descanso e o vaso está pronto para ser usado, e na vida do crente é o mesmo, depois das provas vem o processo de ser usado por Deus, ele nos enche com o Espírito Santo, com óleo puro, bálsamo de Gileade é derramado em nossas vidas, somos usados a cada dia que passa, depois de todos esses processos, estamos prontos para sermos usado por Deus, vidas vão ser curadas, libertadas, restauradas, através de nossa vida, você vai se maravilhar como Deus vai te usar muito mais do que ele usa, e ai você vai ver as bênçãos de Deus serem derramadas sobre tua vida, tua igreja, tua família, e tudo o que for fazer vai prosperar, pois Deus está te capacitando, te enchendo do fogo do Espírito Santo.

Você está pronto para passar por esses processos em sua vida, recomeçar uma nova vida nas mãos do oleiro? Você realmente se deixaria ser moldado por Deus novamente? Pois nós crentes temos que ser moldados todos os dias por Deus.

Analisando esses processos cheguei a uma conclusão do porque muitos se afastam dos caminhos do senhor, não conseguem chegar ao final da caminhada, até tentam, mas ficam no meio do caminho. Tudo isso porque não se querem deixar serem moldados pelo oleiro Jeová.

E você, já deixou Deus moldar sua vida por completo? Ou está com medo do primeiro processo? Ou não consegue passar pelo segundo? Ou encravou no terceiro? Ou o quarto está doido demais?

Que você possa meditar nessas palavras, e com certeza você vai sentir Deus fazendo um vaso muito valoroso em você, pois ele quer fazer a obra completa em sua vida, e te usar de uma forma tremenda, gloria a Deus, aleluuuiiaaa!

Lembre-se, se deixe passar por esses processos em sua vida, e Deus vai surpreender você nesse ano, no nome de Jesus.

Que todos fiquem na paz do senhor Jesus, e pensem muito nessas palavras, que vieram do coração de Deus para nossos corações.

Aleluia.

sábado, 3 de fevereiro de 2018

Crentes Que Bebem?

“O vinho é escarnecedor, e a bebida forte, alvoroçadora; todo aquele que por eles é vencido não é sábio” (Provérbios 20:1).


         O país está rapidamente se tornando uma sociedade encharcada de álcool e com muita gente intoxicada. O álcool agora é o bezerro de ouro moderno, e milhões de pessoas jovens ou velhas, homens ou mulheres, foram seduzidas por ele.
         Os abstêmios, os que apoiam a lei proibindo a venda de bebidas alcoólicas, e todos os demais que durante anos combateram este dilúvio de bebedeira se tornaram objeto incomparável de riso.
         Nós, modernos e liberais resolvemos que beber está na moda. Agora, beber socialmente é considerado sofisticado, urbano, pra frente. Experimente dizer “Não” à aeromoça que fica forçando drinks desde que você entra até que desça do avião. “O que o senhor quer dizer, não aceita drinks?” Ela olha como se você fosse um maluco por recusar bebidas grátis.
         Hoje em dia as pessoas se ofendem quando você recusa seu convite para um gole. Elas tentam lhe deixar com a impressão de ser inamistoso por não acompanhá-las, ou que você está querendo se mostrar “santinho”.
“Não estejas entre os bebedores de vinho...” (Provérbios 23:20).

        Para mim, a tragédia maior é que tantos assim chamados “cristãos” agora estão bebendo. Eu os chamo de “crentes que bebem um golinho”, porque é assim que começa - um gole de cada vez.
         A atitude permissiva para com o beber socialmente está rapidamente se infiltrando até mesmo dentro dos círculos mais conservadores das igrejas evangélicas.
“Liras e harpas, tamboris e flautas e vinho há nos seus banquetes; porém não consideram os feitos do Senhor, nem olham para as obras das suas mãos” (Isaías 5:12).

        O profeta Isaías tem uma mensagem para todo o movimento carismático - seja nos círculos católicos ou protestantes.
“...o meu povo será levado cativo, por falta de entendimento...Mas o Senhor dos Exércitos é exaltado em juízo; e Deus, o Santo, é santificado em justiça” (Isaías 5:13,16).

O profeta Oséias diz: “...o vinho e o mosto tiram o entendimento” (Oséias 4:11).

        Isto sugere que os santos que bebem um gole têm corações divididos.
         As pessoas cheias do Espírito reivindicam “sacerdócio real” junto ao Senhor. A Bíblia enfaticamente declara:
“Não é próprio dos reis beber vinho, nem dos príncipes desejar bebida forte. Para que não bebam, e se esqueçam da lei...” (Provérbios 31:6).

        Uma senhora cristã me escreveu dizendo:
         “Somos cristãos que freqüentam muito a igreja. Amamos o Senhor e não vemos absolutamente nada de mal em servir vinho em casa. Bebemos com moderação, e nossos filhos estão aprendendo a beber sob nossa supervisão. Eles não exageram. Nunca vimos ninguém bêbado em casa.”
         “O senhor está simplesmente nos fazendo sentir culpados, empurrando essa sua ética fundamentalista para cima da gente. Não fomos educados em baixo de tabus legalistas como o senhor certamente foi. Francamente, senhor, os nossos hábitos de bebida não lhe interessam.”
         Que Deus abençoe esta prezada senhora. Isso começa a ser problema meu quando estes adolescentes saem com os amigos e ficam bêbados.
         Conheci há pouco tempo uma jovem estudante, uma alcoólatra convertida, que me disse como virou beberrona. Os pais lhe ensinaram como beber com moderação. Em festas, aniversários, e quando chegava visita, todo mundo tomava um drink social. Era servido às refeições. Ela admirava e amava os pais. Eles rejeitavam as bebedeiras, porém tinham um bar em casa.
         Esta jovem começou a ir às festinhas de adolescentes e a beber socialmente com a turma. Isso a levou a beber nos clubes.Por fim, com o acúmulo dos problemas, passou a depender violentamente do vinho. Ela acabou numa instituição mental, como alcoólatra consumada. Quantas, quantas vezes ouvi isso: “Meus pais eram considerados bons cristãos. Iam à igreja. Mas sempre servimos vinho ou cerveja em casa. Meu irmão mais velho bebia moderadamente e era o meu herói. Eu bebia para ser igual aos meus pais e ao meu irmão mais velho, mas não conseguia. Mas me fizeram achar que bebida era uma coisa que as pessoas de bem usam.”
         Será que sou preconceituoso? Cabeça muito pequena nesta área? Claro que sim!
         Já ouvi todas as desculpas para a bebida e não posso aceitar nenhuma delas. Põem a culpa na água impura.
         Fico profundamente irritado com os cristãos que bebem, devido ao terrível exemplo que dão para os jovens! O país agora enfrenta uma praga de bebida no meio dos jovens. Hoje as duas palavras mais populares na escola são “zoar e beber.” O álcool está se disseminando em nossas escolas como um incêndio sem controle.
         Esta explosão de bebida que assola o país me dá medo. Eles agora bebem porque acham que o álcool não os vai “enterrar” como as drogas! A bebida agora é a “maconha líquida” preferida. Em toda parte onde se vêem os adolescentes se embriagando, eles dizem: “Agora não tem polícia, pais ou políticos que possam encrencar com a gente - porque todos também estão fazendo isso. Finalmente achamos uma coisa legal que não leva a gente pra cadeia!”
         Não quero entrar naquela velha discussão em relação à Bíblia e o vinho fermentado em contraposição ao suco de uva. Mas quanto mais vejo estes jovens estourados, arrebentados, desesperadamente afundados na bebida - mais fico convencido que Jesus não enganou aquela multidão nas bodas de Canaã, servindo a mesma coisa que está destruindo os nossos jovens hoje.
         Cristo veio para cumprir a lei! A lei diz: “O vinho é escarnecedor...todo aquele que por ele é vencido não é sábio”. Cristo foi ludibriado? Será que Ele serviria uma bebida que levaria um homem saído da festa a bater na esposa? E no tribunal seria perguntado a este homem: “Como você ficou tão embriagado?” E o condenado responderia: “Fui à uma festa de casamento. Jesus de Nazaré serviu uma bebida muito forte. Ele me deixou bêbado.”
         Não consigo conceber a idéia de que Jesus decepcionaria aquela multidão, e serviria uma bebida que poderia levar ao mau se tomada em exagero. Creio que o elixir que Jesus serviu foi o puro suco da vinha - um ponche sobrenatural tão cheio da combinação genuína da natureza, que foi uma transformação única e recebida com prazer! Será que Jesus adicionaria conteúdo alcoólico à Sua bebida sobrenatural e a tornaria a “número um” quando a lei diz:
“Não olhes para o vinho, quando se mostra vermelho, quando resplandece no copo e se escoa suavemente” (Prov. 23:31)

        Isso foi escrito por um rei que “se deu ao vinho” (v. Eclesiastes 2:3). E Jesus não iria nunca, nunca fazer com que os convidados se dessem ao vinho embriagante.
         Paulo também conhecia a lei. Ele respeitava a sabedoria de Salomão. Suco puro da uva é bom para a saúde! É nutriente. Mas o vinho fermentado não é mais nutritivo, segundo um médico amigo meu que já leu muito sobre o assunto. Como Paulo poderia recomendar a bebida de vinho alcoólico quando a lei que respeitava exortava: “Não estejas entre os bebedores de vinho...” ?
         Mas a questão real não é se o Novo Testamento se refere ou não a vinho fermentado ou a suco de uva. A questão real é o abuso que hoje prevalece tanto.
         Salomão tinha três mil esposas; uma vez Moisés autorizou o divórcio. Deus permitiu! Mas Deus não permite que Suas leis se tornem tão desmoralizadas e insultadas. Veja onde nossa permissividade nos levou: danceterias assim chamadas cristãs, servindo cerveja com dança de músicas cristãs. “Cristãos” rolando no rock, bebendo.

“Para que não bebam, e se esqueçam da lei...”

         Estamos esquecendo as leis de Deus, as próprias leis que Jesus disse ter vindo cumprir. Agora deixamos que uma sacerdotisa lésbica seja ordenada na igreja Episcopal. Os homossexuais não só exibem seu pecado, como ousadamente buscam reconhecimento e força dentro da igreja.
         Um milhão de divórcios novos este ano. Milhões de garotos vítimas de lares desfeitos. Danças com nus no santuário da igreja. Ministros liberais zombando dos antigos padrões sexuais bíblicos. Agora eles ensinam assim aos meninos: “A masturbação é um presente de Deus para aliviar a tensão.”
         Os cristãos bebem por causa da ignorância? Ninguém os confrontou com a Palavra de Deus? Será que estes novos convertidos do movimento de Jesus bebem para provar que são liberados e não estão sob a lei?
         Uma jovem senhora, membro de uma comunidade cristã de amor, disse: “Claro, nós todos bebemos. Jesus bebeu; Paulo bebeu! A Bíblia não deixa o assunto claro. Nossos líderes bebem com moderação. Todos são bons mestres bíblicos e viajam, falando nas reuniões dos jovens.” Sim - e sei que alguns deles também fumam. Eles misturam Jesus com rock pesado, e só Deus sabe até onde vão as concessões.
         Eles parecem achar que acrescentando a palavra “Jesus” à alguma coisa, a torna santificada e tudo bem.
         Você diz: “Não julgue, meu irmão! E a trave no seu olho?”
         Não sou o juiz de ninguém. Não me coloco como porta voz de nenhum grupo. Mas Paulo diz: “nós julgamos os aqui de dentro - Deus julga os lá de fora.”
         É hora de julgamento! É hora de todos os cristãos que bebem serem desafiados! É hora do Espírito Santo expor esta atitude frouxa e despreocupada de “liberou geral”. Se é errado para os meus queridos alcoólatras, viciados e prostitutas convertidos beberem mesmo que moderadamente, então é mortalmente errado que os cristãos amadurecidos bebam e lhes dêem um mau exemplo.
         E fico muito aborrecido e espiritualmente indignado quando os cristãos que bebem chegam para mim dizendo: “Ah, você é bem um santinho fundamentalista bitolado. Nós, cristãos modernos e liberais somos livres em Cristo. Não estamos embaixo da lei. Não vamos ficar presos por seus ataques à nossa liberdade.”
         Isso é uma ofensa à tudo em mim que aspira à piedade e à santidade. Isso é uma ofensa à todo recem-convertido a quem Deus trouxe convencimento a respeito do antigo hábito da bebida. E a Bíblia diz:
“Qualquer, porém, que fizer tropeçar a um destes pequeninos que crêem em mim, melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma grande pedra de moinho, e fosse afogado na profundeza do mar. Ai do mundo, por causa dos escândalos; porque é inevitável que venham escândalos, mas ai do homem pelo qual vem o escândalo!” (Mateus 18:6-7).

        Recuso-me a ceder à crescente pressão do mundo - disfarçada de liberdade espiritual! O que aconteceu conosco, santos de Deus - que conseguimos ficar sentados sem tomar uma atitude, e não repreender estes princípios que corroem a moral tão depressa na casa de Deus?
         Creio na gratuidade da graça, mas não na licenciosidade. Creio na justiça imputada de Cristo, pela fé. Mas também creio que a santidade de Deus requer que “não toquemos o que é impuro.”
         Creio também que os pastores que fumam não estão sendo honestos com Deus. Estes “profetas da fumaça” recusam-se a praticar o que pregam. E pastores que bebem são uma acusação contra o nome e o poder de Deus.
         Não se trata de um esforço para condenar os verdadeiros ministros do evangelho. Mas como podemos nós, como ministros e pais pedir aos nossos filhos que parem de usar drogas e álcool, se não queremos limpar nossas próprias vidas - e dar o exemplo tornando-nos semelhantes a Cristo?
         Às vezes, só por um instante, fico pensando: “Talvez o errado seja eu. Talvez estes novos cristãos que se enfiam no rock, fumam, bebem, e que voltam aos seus antigos buracos para cantar, entreter, e representar - talvez eles tenham visto algo em Deus que eu ainda não vi. Talvez estas mudanças tão bruscas não sejam concessões, mas um sinal de maturidade e crescimento. Pode ser que eu seja muito antiquado, esteja muito por fora para reconhecer alguma coisa nova que Deus esteja fazendo.”
         Mas então começo a comparar o som estridente e agitado da música deles com antigos hinos como “Rocha Eterna” e “Santo, Santo, Santo.” E tenho vontade de chorar! Vejo-os voltando àqueles clubes enfumaçados para entreter a multidão de beberrões na pretensão de levá-los a Jesus, e aí os comparo aos milhões do povo de Deus ao longo dos séculos, desde os mártires até os viciados e bandidos de hoje, que se converteram e que abandonaram o mundo e tudo que está ligado a ele, para levar adiante a repreensão de Cristo. Começo a chorar pelos cristãos que fazem concessões. Sei que não estou errado.
         Oh meu irmão, não fique bravo comigo! Se você é um dos santos que bebem um golinho, não permita que sua mágoa ou raiva lhe roubem a verdade. Se você ficou ressentido por esta mensagem que prega a separação, é provavelmente porque Deus já lhe convenceu - e Ele agora está querendo que você desfrute de liberdade completa.
         Ore também para que Deus coloque no coração dos ministros por todo o país - se levantarem firmemente nos púlpitos contra esta insidiosa tendência.
         Ore por nossos adolescentes! As pressões que recebem para beber com a turma aumentam todo dia. Eles precisam ser encorajados a se levantar e resistir, para que não sejam atraídos para este rodamoinho da bebida.
          Mesmo que você não “sinta-se convencido” - abstenha-se pela simples mas poderosa razão de dar um exemplo para a juventude!

“Para quem são os ais? Para quem os pesares? Para quem, as rixas? Para quem, as queixas? Para quem, as feridas sem causa? E para quem, os olhos vermelhos? Para os que se demoram em beber vinho, para os que andam buscando bebida misturada. Não olhes para o vinho, quando se mostra vermelho, quando resplandece no copo e se escoa suavemente. Pois ao cabo morderá como a cobra e picará como o basilisco. Os teus olhos verão cousas esquisitas, e o teu coração falará perversidades” (Provérbios 23:29-33).

Jesus está voltando!

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Os fundamentos Espirituais da familia

Mateus 7:24-27


24 Todo aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as pratica será comparado a um homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha; 25 e caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, que não caiu, porque fora edificada sobre a rocha. 26 E todo aquele que ouve estas minhas palavras e não as pratica será comparado a um homem insensato que edificou a sua casa sobre a areia; 27 e caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, e ela desabou, sendo grande a sua ruína.” (Mateus 7:24-27 RA)

Introdução

Ao ler este texto, percebemos que uma casa resiste às tempestades, por causa de seu alicerce. O alicerce é a base, é o fundamento, é o sustentáculo de uma casa. Quando o alicerce é firme, segundo Jesus, a casa resiste ao tempo, ao vento, aos temporais.

Assim também é a família, o casamento. Para que resista, precisa de alicerces. Jesus nos fala de dois alicerces. Um fraco, feito de areia e outro forte, feito de rocha. O grande desafio para as famílias, e casais aqui presentes é que tenhamos nossas vidas alicerçadas na Rocha.

1. Quais são os alicerces de uma família?

1.1) Comunhão

1 João 1:7 Se, porém, andarmos na luz, como ele está na luz, mantemos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo pecado.

Mas, o que é comunhão? Comunhão é a participação em comum de crenças, interesses, idéias, opiniões. Para andar em comunhão uma família ou um casal, precisa compartilhar, precisa ter cumplicidade, precisa combinar em harmonia suas decisões. Enfim, se há uma idéia que resume a comunhão é a harmonia.

A comunhão na vida familiar do casal tem sido atingida por alguns inimigos. Vejamos:

Trabalho excessivo. ILUSTRAÇÃO. Me lembro da história de um pai que trabalhava excessivamente. Certo dia o filho diz ao pai: Papai, preciso falar com o Senhor. O pai responde: Menino, não tenho tempo para conversar. Meus clientes pagam por minhas horas. Alguns minutos depois, o filho entristecido pergunta ao pai: Pai, quanto custa a tua hora? Eu gostaria de comprá-la, para poder ter a tua atenção. O pai, cai em si, e percebe que estava errando com a sua família.

Há um programa de televisão que fez muito sucesso, na televisão brasileira, que é a super Nani. Quando um pai ou mãe não conseguem dar conta dos problemas de seus filhos, chamam esta psicóloca. O que constatamos, em muitos dos problemas destas famílias expostas na mídia, é que muitos destes pais são ausentes e distantes de seus filhos e famílias. Não se relacionam mais, não conversam mais, não convivem mais com os seus.

Temperamentos não controlados por Deus. Certa vez estava conversando com uma esposa, frustrada com seu casamento, quando em certo momento, ela diz: Pastor, meu problema é que eu e meu marido temos temperamentos incompatíveis.

Lembremos do que diz a palavra de Deus em Romanos 8:13: “Porque, se viverdes segundo a carne, caminhais para a morte; mas, se, pelo Espírito, mortificardes os feitos do corpo, certamente, vivereis.” Ainda em Gálatas 5:16: “Digo, porém: andai no Espírito e jamais satisfareis à concupiscência da carne”.

Não acredito que existam pessoas com temperamentos incompatíveis, mas pessoas incompatíveis com a vontade e plano do Senhor para suas vidas. Acredito que o domínio do espírito é mais poderoso do que as fraquezas de nossos temperamentos. Por isso, creio que o nosso temperamento pode ser dominado pelo Espírito que atua em nós.

Creio que, temperamentos que não são controlados por Deus podem destruir uma família, mas temperamentos controlados pelo Espírito Santo geram os frutos de espírito e trazem grandes bênçãos para a família.

Coloquemos por terra, em nome de Jesus estes inimigos da comunhão.

1.2) Perdão


21 Então, Pedro, aproximando-se, lhe perguntou: Senhor, até quantas vezes meu irmão pecará contra mim, que eu lhe perdoe? Até sete vezes? 22 Respondeu-lhe Jesus: Não te digo que até sete vezes, mas até setenta vezes sete.” (Mateus 18:21-22 RA).

Pedro ainda limitava o poder do perdão em sua vida. Jesus lhe mostra que o perdão tem que ser exercido constantemente na vida cristã.

Mas, porque alguns tem dificuldade de perdoar? Vou destacar alguns motivos:
- O orgulho ferido.
- Intolerância com as falhas de outros.
- É difícil perdoar porque as vezes nos sentimos como vitimas.
- Perdoar pode ser um ato difícil pois quem perdoa precisa dar a volta por cima e esquecer a ofensa.

O pregador Moody, falando sobre perdão disse: “Aqueles que dizem que perdoam mas não podem esquecer, simplesmente enterram a machadinha, deixando o cabo de fora para usá-la da próxima vez”.

Quem perdoa, precisa superar as feridas abertas no passado. Não podemos viver na sombra do passado, pois viver com Cristo é viver algo novo a cada dia. 2 Coríntios 5:17 diz: “E, assim, se alguém está em Cristo, é nova criatura; as coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas.”

Alexander Poper disse: 'Errar é humano, perdoar é divino'.

1.3) O amor

Ao lermos I Coríntios 13: 7, entendemos porque o amor é um alicerce importante na família. O texto diz: o amor “…tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.”

Paulo diz que o amor tudo sofre. Lembremos do quanto Jesus sofreu por nós, de como Ele suportou nossos pecados. Mediante o exemplo de Jesus somos levados a perguntar o quanto temos suportado algumas provações por causa do amor a Deus. O amor a Deus nos leva a suportar a cruz que precisamos levar em nossa caminhada.

Paulo também diz que o amor tudo espera. O amor nos ensina a esperar a oportunidade certa, ou a hora em que Deus vai agir. Sabermos esperar é importante que não nos precipitemos. Será que continuamos a esperar a nossa vitória, com absoluta convicção de que Deus ama?

Jesus tinha um amor desse tipo por nós. Ele deu a sua vida por nós. Mary Stessor diz: “Amar é viver em favor de alguém ou de algo”. Jesus viveu em nosso favor, viveu a ponto de se sacrificar por nós.

O grande pregador John Stott define o amor da seguinte forma: “Amor é mais serviço do que sentimento”. O amor de Cristo foi demonstrado por serviço, por atos, por gestos.

O amor de Deus gera em nós um sentimento de misericórdia semelhante ao de Deus que diz a Abraão: “Não destruirei Sodoma por amor dos dez”. Gn. 18:32. O amor de Deus nos leva a fazer sacrifícios como o de Jacó, que por amor a Raquel, trabalhou 14 anos para conquistá-la em Genesis 29. A amizade de Davi e Jonas resistiu a todos os ataques do rei Saul contra a vida de Davi. Quando temos o amor de Deus, grandes amizades não são sacrificadas por conflitos e pressões externas.

Quando temos em nossos corações o amor de Deus, temos o mesmo sentimento daquela verdadeira mãe, que diante de Salomão prefere abrir mão da maternidade de seu filho para uma falsa mãe do que vê-lo morrer. I reis 3:26.

Deus espera que nós tenhamos esse amor em nossos corações. O amor de Deus nos convence que o sentido da nossa existência não é vivermos apenas para nós mesmos em um mundinho de egoísmo, mas sim para fazer o bem pelos outros.

Conclusão


Retomando o texto que lemos acerca de Jesus falando da casa sobre a rocha diz: “…. e caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, que não caiu, porque fora edificada sobre a rocha”.

A idéia mais importante aqui, a respeito desta casa, é resistência. Resistimos quando estamos edificados. Resistimos porque o mesmo Deus que estava com Moisés, declarou que estaria com Josué, e também esta conosco. E é o Senhor que promete:”ninguém te poderá resistir todos os dias da tua vida; como fui com Moisés, assim serei contigo, não te deixarei, nem te desampararei”. Josue 1:5.

Com amor, perdão e comunhão, as crises virão, os problemas aparecerão, a dor chegará, mas a tua família permanecerá unida, firme e indestrutivel em Cristo.


Sejam abençoados em nome de Jesus.

Pr Elimar Gomes Alves

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

Pensando sobre o significado da palavra AMIZADE

Amizades são muito importantes em nossa vida. Elas contribuem grandemente em nossa formação e modo de vida. Delas, surgem os relacionamentos mais profundos que definirão coisas importantes como com quem vamos nos casar e que tipo de pessoas vamos ser. As amizades são desenvolvidas primeiro em família e depois na convivência da igreja, escola, vizinhança, cidade, estado  etc.

Note que nem todos os nossos conhecidos serão nossos colegas ou companheiros. Da mesma forma, nem todos os companheiros (de classe, trabalho, etc.) serão nossos amigos de fato. Muitas vezes, aqueles que consideramos amigos são apenas companheiros ou colegas e muitas vezes maus companheiros. Muito do que vamos ver sobre maus amigos, aplica-se a estes também. 

A Bíblia nos dá muitas orientações a respeito de amizades. Ela fala da importância dos bons amigos e nos avisa sobre os perigos das más companhias através de várias exortações e ricos exemplos.

Falaremos neste artigo sobre a importancia das amizades, do cuidado com as amizades, buscando atraves de exemplos de amizades que citaremos, evidenciar o aspectos positivos e negativos e buscando ao fim trazer uma visao do que podemos esperar e que conclusao tomamos de tudo o que tratarenos aqui.

A IMPORTÂNCIA DAS AMIZADES

Este é um assunto de grande importância. Somos exortados por Deus, através da Bíblia, a ter sérios e bons cuidados com relação à escolha de nossos amigos, pois eles têm muita influência em nossas vidas.

O que anda com os sábios ficará sábio, mas o companheiro dos tolos será destruído (Provérbios 13:20).

Na verdade, a partir do momento em que escolhemos nossas amizades, não são apenas pessoas que estamos escolhendo, mas o rumo que nossas vidas terão. Ao escolhermos a amizade de pessoas que praticam coisas contrárias a Deus, estamos escolhendo o mundo e rejeitando a Ele. 

Adúlteros e adúlteras, não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus (Tiago 4:4).

CUIDADOS COM AS AMIZADES

A escolha de bons amigos nos ajudará em muitos aspectos, especialmente em termos espirituais.

É muito fácil fazer uma má escolha. Pessoas que não amam a Deus e não respeitam a Sua Palavra costumeiramente nos oferecem sua amizade e, muitas vezes, parecem atrativas a nós. É certo que, se já somos crentes em Cristo, podemos e até devemos nos relacionar com tais pessoas a fim de influenciá-las pela nossa fé e exemplo de uma vida reta. Jesus mesmo fez questão de ter contato com pecadores, levando a eles palavras de salvação (Lucas 15:1; Mateus 9:10-13). Porém, há grande perigo quando nos relacionamos com tais pessoas e nos envolvemos com elas sem estarmos firmados em uma fé verdadeira. Nesses casos, em lugar de conduzi-los a Cristo, acabamos permitindo que as suas más influências nos corrompam.

Não vos enganeis: as más conversações corrompem os bons costumes (1 Coríntios 15:33).

Algumas pessoas querem nos afastar de Deus e nos induzir a pecar contra Ele. Devemos ter cuidado, pois isso pode ocorrer até mesmo dentro da igreja, causando intrigas ou mesmo desvios de fé e conduta (heresias).

Quando te incitar teu irmão, filho da tua mãe, ou teu filho, ou tua filha, ou a mulher do teu seio, ou teu amigo, que te é como a tua alma, dizendo-te em segredo: Vamos, e sirvamos a outros deuses que não conheceste, nem tu nem teus pais; dentre os deuses dos povos que estão em redor de vós, perto ou longe de ti, desde uma extremidade da terra até à outra extremidade; não consentirás com ele, nem o ouvirás; nem o teu olho o poupará, nem terás piedade dele, nem o esconderás (Deuteronômio 13:6-8).

Por não atentarem ao que diz a Palavra de Deus, infelizmente, vemos até mesmo muitos filhos dos crentes caindo em grande tragédia espiritual, sendo levados ao uso ou até ao tráfico de drogas e à prática de outros crimes pela influência de "amigos".

Filho meu, se os pecadores querem seduzir-te, não o consintas. Se disserem: Vem conosco, embosquemo-nos para derramar sangue, espreitemos, ainda que sem motivo, os inocentes; traguemo-los vivos, como o abismo, e inteiros, como os que descem à cova; acharemos toda sorte de bens preciosos, encheremos de despojos a nossa casa; lança a tua sorte entre nós; teremos uma só bolsa. Filho meu, não te ponhas a caminho com eles; guarda das suas veredas os pés; porque os seus pés correm para o mal e se apressam a derramar sangue (Provérbios 1:10-16).

Devemos ter cuidado com aquelas companhias que gostam de confusão e que buscam a violência. Eles são perigosos até a si mesmos. Não sejas companheiro do homem briguento nem andes com o colérico (Provérbios 22:24).

Algumas amizades precisam ser totalmente evitadas. Devemos, enquanto é tempo, nos afastar daqueles falsos amigos, que querem nos incitar para desviar do Senhor e praticar o pecado. É claro que não se aplica a nós a ordem de matá-los como era ordenado na Lei para os israelitas, mas fica óbvio o sentido de que eles devem ser TIRADOS da NOSSA vida e de nossos filhos, e suas más obras devem ser condenadas e afastadas dos nossos olhos.

Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores (Salmos 1:1).

Não porei coisa má diante dos meus olhos. Odeio a obra daqueles que se desviam; não se me pegará a mim (Salmos 101:3).

Há outro tipo de falsos amigos que nos fazem mal, que são aqueles atraídos por interesses. Podemos reconhecer esses “amigos” por observar que o que eles querem é somente usufruir daquilo que podemos lhes oferecer, seja material ou algum outro tipo de favor. Precisamos ser sábios para enxergar em tempo que estes não são realmente nossos amigos. Pessoas que só estão à espera do que nós temos a lhe oferecer não são amigas em sentido algum. Um exemplo bíblico disso é o da parábola do filho pródigo. Lemos que ele tinha “amigos” ao seu lado enquanto desfrutava da sua herança e ficou em abandono total após o dinheiro acabar. Uma verdadeira amizade não é propriamente estabelecida no interesse em “dar e receber”, embora esse “dar e receber” seja necessário a ela como vamos ver adiante.

As riquezas granjeiam muitos amigos, mas ao pobre, o seu próprio amigo o deixa (Provérbios 19:4).

Devemos tomar cuidado, também, com aqueles que não mostram lealdade a outras pessoas como colegas e familiares. Se agem assim com eles, muito provavelmente agirão conosco também.

O que rouba a seu próprio pai, ou a sua mãe, e diz: Não é transgressão, companheiro é do homem destruidor (Provérbios 28:24).

Sempre corremos o risco de que nossa amizade e fidelidade dedicadas a alguém, não sejam correspondidas. Jesus mesmo sofreu a traição (embora ele já o soubesse desde sempre). Davi também teve “amigos” que foram falsos com ele e o traíram depois (Salmos 35.11-16). Por que haveria de ser diferente conosco?

Até o meu próprio amigo íntimo, em quem eu tanto confiava, que comia do meu pão, levantou contra mim o seu calcanhar (Salmos 41:9).

Alguns dos amigos mais perigosos são aqueles que sempre concordam conosco, apoiando-nos mesmo nas coisas erradas. Por concordarem e apoiarem nossas ideias e atitudes, eles parecem “bons amigos”, mas poderemos observar que isso não é verdade. 

Melhor é ouvir a repreensão do sábio, do que ouvir alguém a canção do tolo (Eclesiastes 7:5).

O amigo verdadeiro está pronto tanto para nos dar apoio e palavras de aprovação amorosa quanto para nos repreender e corrigir com palavras francas. A pessoa sábia procura ter amigos com coragem e convicção para repreendê-la quando for necessário. Por outro lado, o insensato evita pessoas que a corrijam e critiquem, procurando aprovação em tudo que faz. É claro que ninguém gosta de ser corrigido, mas todos nós precisamos de amigos que nos amem tanto a ponto de ter a coragem de apontar e nos ajudar com nossos erros.

Melhor é a repreensão franca do que o amor encoberto. Leais são as feridas feitas pelo amigo, mas os beijos do inimigo são enganosos. O óleo e o perfume alegram o coração; assim o faz a doçura do amigo pelo conselho cordial (Provérbios 27:5, 6 e 9).

Dessa forma, devemos fazer um firme propósito como o de Davi, de buscar cercar-nos de pessoas tementes a Deus.

Companheiro sou de todos os que te temem e dos que guardam os teus preceitos (Salmos 119:63).

Uma vez que escolhemos TER bons amigos, devemos buscar SER bons amigos também! As Escrituras nos aconselham sobre as responsabilidades de companheiros fiéis. Amigos contam com a presença uns dos outros: 

Como o ferro com ferro se aguça, assim o homem afia o rosto do seu amigo (Provérbios 27:17).

Mais vale o vizinho perto do que o irmão longe (Provérbios 27:10).

As orientações bíblicas são valiosas para nos guiar em fazer e manter boas amizades.


EXEMPLOS DE AMIZADE

Três gerações da família de Davi nos servem de exemplos de amizades boas e más.

Davi e Jônatas - Um exemplo maravilhoso de amizade profunda e verdadeira é aquela mantida entre o próprio Davi e Jonatas. Ela mostra como deve ser uma verdadeira amizade, firmada em nosso íntimo (na alma), valorizando e amando aquela pessoa acima de nossos interesses pessoais.

E sucedeu que, acabando ele de falar com Saul, a alma de Jônatas se ligou com a alma de Davi; e Jônatas o amou, como à sua própria alma. E Jônatas e Davi fizeram aliança; porque Jônatas o amava como à sua própria alma. E Jônatas se despojou da capa que trazia sobre si, e a deu a Davi, como também as suas vestes, até a sua espada, e o seu arco, e o seu cinto (1 Samuel 18:1, 3-4).

O rei Saul buscou incansavelmente matar Davi, escolhido por Deus como seu sucessor. Jônatas, da mesma forma, poderia ter olhado para Davi com inveja ou ódio, pois se Deus não tivesse nomeado Davi, o próprio Jônatas seria rei depois da morte de Saul. Jônatas não mostrou tal atitude mesquinha e mesmo contrário a seu pai, manteve uma amizade especial com Davi durante toda a sua vida. Quando Saul tentou matar Davi, Jônatas protegeu seu amigo (1 Samuel 20). Davi lamentou amargamente a morte desse amigo tão especial (2 Samuel 1:17-27). Mesmo após a morte de Jônatas, Davi buscou exercer benignidade para com o filho aleijado de seu amigo, Mefibosete (2 Samuel 9), em cumprimento da aliança firmada por eles.

Amnon e Jonadabe - Amnon, um dos filhos de Davi, não escolheu seus amigos do mesmo modo que seu pai. Em lugar de cultivar boas amizades, escolheu como companheiro seu primo Jonadabe (2 Samuel 13:3). Quando Amnon falou com este amigo sobre os seus desejos errados pela própria irmã, Jonadabe teve a oportunidade de corrigir e ajudar seu primo. Em lugar disso, ele "ajudou" Amnon a arquitetar um plano para estuprar a própria irmã. Além de levar Amnon a humilhar e odiar a moça inocente e a magoar profundamente seu pai (2 Samuel 13:4-21), o conselho de Jonadabe levou, afinal, à morte do próprio Amnon (2 Samuel 13:22-36). Jonadabe ainda teve a falsidade de tentar confortar Davi depois da morte de Amnon. Com certeza, esse não foi um bom amigo.

Roboão e seus colegas - Roboão, neto de Davi, se tornou rei depois da morte de Salomão. No início do seu reinado, procurou conselho de várias pessoas antes de tomar uma decisão importantíssima. Ele valorizou a amizade de seus jovens colegas acima da sabedoria dos homens mais velhos e experientes que haviam ajudado seu pai (1 Reis 12:7-11). A "ajuda" destes amigos contribuiu para a divisão do reino e diminuiu muito a influência de Roboão. Nossos amigos podem falar coisas que nos agradam, mas devemos dar ouvidos à sabedoria de pessoas mais sábias.


O QUE ESPERAR DE UMA AMIZADE

O ideal de uma amizade é que ela possa ser vista como Davi bem a definiu: “Uma aliança do Senhor”. Isso representa um pacto de fidelidade irrevogável.

Usa, pois, de misericórdia com o teu servo, porque o fizeste entrar contigo em aliança do SENHOR (1 Samuel 20:8).

É no momento de aflição e necessidade que mais precisamos ter ou ser amigos verdadeiros. Em uma relação de amizade, mesmo quando um se mostra fora do temor de Deus, o outro amigo deve agir com compaixão, ajudando-o e buscando trazê-lo de volta ao bom caminho e não se fazendo companheiro dele em seus erros. 

Ao que está aflito devia o amigo mostrar compaixão, ainda ao que deixasse o temor do Todo-Poderoso (Jó 6:14).

Nos piores momentos é que o amigo cresce e oferece o melhor de si. Nesse sentido é que a Escritura diz que ele se faz mais que um amigo, tornando-se um irmão.

Em todo o tempo ama o amigo e para a hora da angústia nasce o irmão (Provérbios 17:17).

Todos nós precisamos de amigos verdadeiros que estejam ao nosso lado e nos auxiliem em certos momentos da vida.

Porque se um cair, o outro levanta o seu companheiro; mas ai do que estiver só; pois, caindo, não haverá outro que o levante (Eclesiastes 4:10).

CONCLUSÃO:

Coloque em prática aquilo que a Bíblia ensina sobre a verdadeira amizade, atentando ao seu ensino e exemplos.
1- Escolha seus amigos com cuidado, evitando aquelas que lhe exerçam má influência para afastá-lo de Deus.
2- Valorize amigos sinceros que te ajudem e te corrijam quando voce erra.
3- Corte amizades que prejudicam sua vida espiritual.
4- Seja fiel e de confiança, especialmente nos momentos difíceis, quando os amigos mais precisam de você.
5- Coloque sempre a Palavra de Deus como parâmetro para estabelecer suas amizades e relacionamentos.
6- Seja prestativo e presente quando seu amigo estiver em dificuldades e ou que tenha passado por uma grande vergonha ou luta.

Pare e pense... reflita e deixe seu comentario...

Bom 2018.

Em Cristo,

Pr Elimar Gomes-Alves


sábado, 30 de dezembro de 2017

O Papel do Marido no casamento

Infelizmente, vemos hoje uma quantidade cada vez maior de casamentos destruídos. É claro que existem várias razões para isso, mas uma delas é pelo fato de que tanto os homens como as mulheres perderam de vista o seu papel dentro do relacionamento.

Um time de futebol só alcança a vitória quando cada jogador sabe o seu lugar dentro de campo, e o desempenha o seu papel no grupo corretamente. Da mesma forma, não podemos esperar que uma família seja bem sucedida se os seus integrantes nem ao menos sabem quais são suas responsabilidade perante Deus. É necessário, portanto, buscarmos compreender através da Bíblia o que Deus espera de cada um. Comecemos com o papel do marido.

Texto: 1 Pedro 3.7

Do mesmo modo vocês, maridos, sejam sábios no convívio com suas mulheres e tratem-nas com honra, como parte mais frágil e co-herdeiras do dom da graça da vida, de forma que não sejam interrompidas as suas orações.

Pedro ensina que o marido contribui para a glória de Deus no casamento através de um relacionamento amoroso com sua esposa.

O texto acima nos mostra duas palavras-chave para os maridos cumprirem adequadamente o seu papel dentro do casamento.

CONVIVÊNCIA: O marido deve conviver no lar com sabedoria (v.7a). 

Do mesmo modo vocês, maridos, sejam sábios no convívio com suas mulherese tratem-nas com honra, como parte mais frágil e co-herdeiras do dom da graça da vida, de forma que não sejam interrompidas as suas orações.

Algo que, infelizmente, é comum a vários maridos no casamento é a ausência. Muitos maridos são ausentes no relacionamento por causa do trabalho ou apenas por falta de interesse. Existem aqueles que trabalham o dia inteiro e quando saem do trabalho preferem ir a um bar ou assistir futebol na casa dos amigos. Mas existem aqueles que, apesar de estarem presentes fisicamente no lar, estão ausentes emocionalmente, pois vivem diante da televisão e não se relacionam com sua esposa e filhos.

A expressão “do mesmo modo” pode significar que, de certa forma, o homem debe agir com submissão, da mesma forma que a mulher e os servos mencionados anteriormente no texto bíblico. Dentro do contexto, esta atitude demonstra não ser de obediência, mas de conceder à mulher o valor necessário. O texto afirma que o marido deve dar “honra” à mulher, que é a mesma palavra usada para indicar a atitude do cristão em relação ao rei (2.17).

A idéia que Pedro quer transmitir aos maridos é que eles devem conviver com suas esposas. Mas não se trata apenas de estar junto, mas também de se relacionar com elas com conhecimento ou sabedoria (vamos ver o que isso significa mais tarde). Então, Pedro está ensinando que os maridos devem ter quantidade e qualidade de tempo com suas esposas. Não é só estar junto sem dar atenção, mas também não dar atenção só de vez em quando. Isso deve ser uma prática comum e regular dos maridos.

Não vale a pena conquistar o mundo (negócios) e perder a sua esposa e família. Dedique tempo à sua esposa. Não precisa ser horas do seu dia, mas planeje-se para sempre ter tempo para ela. Aqui vão algumas sugestões:

1. Tempo de sofá: Pode ser apenas quinze a vinte minutos do seu dia para você sentar com sua esposa e perguntar como foi o dia dela e ouvi-la.

2. Tempo devocional: O marido também é o líder espiritual da família. Separe um tempo para orar e ler a Bíblia com sua esposa para que vocês possam crescer juntos.

3. Tempo de lazer com a esposa: De vez em quando, saia com sua esposa para passear sem os filhos. Pode ser algo simples. 


HONRA: O marido deve tratar a esposa com honra (v.7b). 

Do mesmo modo vocês, maridos, sejam sábios no convívio com suas mulherese tratem-nas com honra, como parte mais frágil e co-herdeiras do dom da graça da vida, de forma que não sejam interrompidas as suas orações.

Pedro explica aqui o que significa conviver com a esposa com conhecimento. Significa que os maridos devem tratá-las com honra, como parte mais frágil. O grego usa a expressão “como vaso frágil”. Existem vasos que são verdadeiras obras de arte. Eles são valiosos e delicados, e por isso precisam ser manuseados com muito cuidado. Recentemente encontrei na internet um vaso chinês antigo para vender. Ele custava quarenta mil reais. Com certeza ele é manuseado com extremo cuidado pelos seus donos, pois é frágil de grande valor. Nossas esposas são assim também: frágeis e preciosas, e precisam ser tratadas desta forma.

Assim, quando Pedro afirma que os maridos devem viver a vida comum do lar com conhecimento, ele está dizendo que, no relacionamento com sua esposa, o marido deve tratá-la com honra levando em conta algumas verdades:
1. A mulher é a parte mais frágil da relação. 
2. A esposa (cristã) compartilha da mesma graça de Deus (salvação).

1. A mulher é a parte mais frágil da relação: Isso não significa que a mulher é inferior, mas simplesmente que, em certos sentidos, a mulher é mais delicada que o marido. Existem pelo menos duas áreas em que isso é verdade. A mulher é mais delicada fisicamente e emocionalmente. Por isso, ao se relacionar com sua esposa lembre-se sempre disso. Não a trate com agressividade física. A mulher também é mais frágil emocionalmente. Normalmente elas são mais emotivas. O homem não é assim e por isso ele trata sua esposa como se fosse um outro homem. Não dá demonstrações de carinho e afeto, fica bravo quando a mulher chora. É aí que os conflitos surgem e os homens adquirem o rótulo de “insensíveis”.

2. A esposa compartilha da mesma salvação: o marido deve conviver com sua esposa (cristã) lembrando-se que ela compartilha, junto com ele, da graça de Deus agindo em sua vida. Mais uma vez a Bíblia está mostrando que as esposas não são inferiores aos maridos no casamento. Pedro destaca a igualdade das mulheres no que se refere ao relacionamento com Deus. Elas igualmente defrutam desta graça. Devemos tratá-las, portanto, como alguém que tem os mesmos privilégios.

Portanto, honre sua esposa. Dê a ela o devido valor dentro da família.


AS CONSEQÜÊNCIAS ESPIRITUAIS (v.7c)

Do mesmo modo vocês, maridos, sejam sábios no convívio com suas mulheres e tratem-nas com honra, como parte mais frágil e co-herdeiras do dom da graça da vida, de forma que não sejam interrompidas as suas orações.

Os maridos são verdadeiros pastores de suas esposas. Isso é verdade porque Pedro nos mostra que a forma pela qual o marido se relaciona com sua esposa tem sérias conseqüências espirituais.

Quando o marido não valoriza a esposa e não a trata com o respeito e dignidade adequados, a comunhão entre o casal é prejudicada e, conseqüentemente, a vida espiritual (comunhão com Deus) é afetada.

Isso pode ser especialmente percebido na interrupção da vida de oração do casal. Pedro mostra que a conseqüência de não tratar a esposa adequadamente é a interrupção das orações. A idéia é que, quando o marido não cumpre corretamente seu papel no casamento, a comunhão com a esposa é quebrada, e conseqüentemente, a comunhão com Deus, pois as suas orações serão impedidas.

Todo o ensinamento de Pedro que vimos até agora pode ser resumido no que diz Colossenses 3.19:

Cl 3.19: -Maridos, ame cada um a sua mulher e não a tratem com amargura.

Os maridos devem amar suas esposas. O amor na Bíblia não se trata de um sentimento. Sentimentos são instáveis. Para a Bíblia o amor é a disposição para fazer o que é o melhor para o outro, e este é o compromisso que precisamos ter com Deus e com nossas esposas.

Nós, maridos, precisamos periodicamente relembrar nosso papel dentro do lar. Se cada um de nós cumprirmos adequadamente nossa responsabilidade, com a ajuda de Deus, seremos um número a menos no porcentual de famílias destruídas.

Que Deus nos abençoe e que 2018 seja um ano de grandes conquistas para todos nós.

FELIZ ANO NOVO para todos

Em Cristo.

Pr Elimar e Familia.

Nosso FACEBOOK

Seguidores

Páginas